Arquivos

Mostrando postagens com marcador Scott Turow. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Scott Turow. Mostrar todas as postagens

30 junho, 2018

[Livro] O Primeiro Ano - Como se faz um Advogado (1997)/ Scott Turow

Mais um que peguei
na biblioteca (220 páginas)


Introdução



Um professor na faculdade certa vez me disse que na época dele de aluno o livro "O Primeiro Ano - Como se faz um Advogado" era a leitura obrigatória na matéria de introdução ao Direito e não "O Caso dos Exploradores de Cavernas". Realmente, tem coisas que não deviam mudar.

"O Primeiro Ano", livro muito interessante e esclarecedor, trata, como o próprio título diz, do primeiro ano na vida de estudante em Harvard, famosa universidade americana, mostrando como é a cansativa rotina de estudos por lá.

Muito diferente da maioria das faculdades de Direito do Brasil, onde qualquer um pode se formar com o mínimo de esforço, sair sem saber nada e ainda ter de ficar estudando durante anos para conseguir passar na prova da OAB, mesmo depois de 5 anos de faculdade.

Rotina de estudo em Harvard X Brasil



Harvard

Brasil

O método utilizado no sistema de ensino é o Socrático.
Não há a adoção de um sistema próprio e cada professor se vira como pode.
Todo o curso é baseado em causas reais: ênfase na prática
Cada professor escolhe o que aborda, seja a mera teoria, seja a prática, mas a ênfase é na teoria
Os preparativos para os exames são massacrantes, exigindo até 16 horas por dia de estudo
Basta assistir mal e porcamente as aulas ou ler o caderno de um cdf
Boas notas são vitais por servirem de base para contratação pelos grandes escritórios e pelas mais importantes agências
governamentais
Basta passar no concurso público e a maioria dos escritórios contrata baseado em Networking ou em outro critério subjetivo.

Pequenas diferenças, não é?

Talvez isso explique porque aqui no Brasil o bacharel em Direito recém-formado normalmente não passa na OAB e nem em concurso público (seja para cargo de técnico, seja para cargo de Juiz). 

Há um enorme descompasso entre a realidade do mercado de trabalho e a formação universitária. É assim há muito tempo e vai continuar sendo, pois quase ninguém se importa (vide o índice de reprovações na prova da OAB).


Minha Experiência 


Pessoalmente, aprendi muito mais sozinho do que com meus professores na faculdade, onde a maioria era bem fraquinha em termos de conhecimento e didática. Somente nos cursinhos, depois de formado, que conheci muitos grandes professores de Direito.

Para que serviu a faculdade? Para me permitir pagar por meu diploma de forma parcelada (ainda sim foi bem caro) e me dar a habilitação legal para praticar uma profissão desconhecida à época.


Minha situação só melhorou quando fui fazer cursos preparatórios depois da faculdade, quando tive aula com grandes professores de diversos tipos: advogados, juízes, promotores etc.


Conclusão


Enfim, concordamos com JR Tostes

Esse livro deve ser lido por todos os advogados e estudantes de direito no Brasil, onde as faculdades são pouco exigentes e o índice de reprovação é quase zero. Daí a decepção quando dos exames da OAB, onde há um grau mínimo de exigência.

Grande abraço!



___________________________________________________________________

Sites consultados:

  • http://jrtostes.blogspot.com.br/2013/07/o-primeiro-ano-como-se-faz-um-advogado.html