Arquivos

Mostrando postagens com marcador Platão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Platão. Mostrar todas as postagens

13 julho, 2021

[Palestra] Críton de Platão (2010)/José Monir Nasser

    




 

Introdução


Críton é um diálogo entre Sócrates e seu amigo rico Críton em matéria de justiça, injustiça, e a resposta apropriada à injustiça. Sócrates acha que a injustiça não pode ser respondida com a injustiça e se recusa a oferta de Críton de financiar sua fuga da prisão. Wikipédia

Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Citação 


"Um fato intermediário é que um amigo de infância de Sócrates, chamado Críto ou Crítão – depende da tradução que você usa – dois dias antes do dia fatal soube da notícia de que o barco tinha saído de Delos e no dia seguinte chegaria a Atenas.
Esse Críto suborna os guardas da prisão para que Sócrates pudesse fugir na noite da antevéspera do dia fatal. Sócrates recusa-se a fugir, e essa história está contada num diálogo chamado Críto. Diz que não vai de jeito nenhum, o que vão falar dele, o que vão achar dele, que passou a vida sendo ajudado pela cidade, e quando a cidade de alguma maneira o persegue, então agora ele foge? Como é que ele vai ter moral para pregar qualquer coisa para qualquer outra pessoa, tendo em vista o fato de que ele fugiu?
O diálogo é maravilhoso, magnífico. E Críton não tendo conseguido convencer Sócrates a fugir, a história toda vai para o dia em que começa o nosso diálogo, que é o último dia da vida desta pessoa extraordinária chamada Sócrates"


Obras Mencionadas


 



 

Conclusão



Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!


_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml

03 julho, 2021

[Palestra] Eutífron de Platão (2010)/José Monir Nasser

  




 

Introdução

 

"No início da era cristã havia um diretor da biblioteca de Alexandria chamado Trazilo, e este Trazilo dividiu todos os diálogos platônicos em tetralogias, em grupos de quatro. A primeira tetralogia é esta que eu acabei de descrever pra vocês: EutífronApologia de SócratesCríto Fédon. Sendo que Fédonde longe, é o mais complexo e extraordinário. Porque tem toda a filosofia platônica dentro de si" (Monir)


Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Eutífron é um curto diálogo sobre a definição da piedade. Toda a estrutura está ordenada para responder diretamente à pergunta, “o que é a piedade?”. Vale ressaltar que o termo piedade denota uma virtude relacionada ao sagrado ou uma devoção ao divino. Sócrates e o personagem do título se encontram de passagem no pórtico do local reservado aos processos jurídicos. Eutífron acabara de acusar o pai pelo homicídio de um servo. Sócrates, por outro lado, está indo responder pelo crime de fabricar novos deuses e corromper a juventude, que como sabemos, posteriormente, culminará em sua condenação e morte. (mosteirodoconhecimento)
 

Trecho Destacado

 
The Death of Socrates By Jacques Louis David Hand


 Nenhum em especial, vide ainda a palestra sobre Apologia.

Não encontrei material escrito sobre essa palestra.

  

Conclusão

 

"Sócrates consegue que Eutífron volte para o mesmo ponto que havia refutado no início do diálogo, que a piedade seria uma expressão do que é amado pelos deuses. Dessa forma a idéia do adivinho seria instável, girando em círculos sobre o mesmo lugar.

Sócrates diz então: "se não distinguias com firmeza o que é piedoso do que não o é, não havia razão para acusar de homicídio seu velho pai". O filósofo o convida para continuar refletindo e buscando a resposta, até que tenha a firmeza necessária. Eutífron apresenta uma desculpa, falta de tempo, e se despede.

Nesse último ato, Platão mostra que as verdades devem ser buscadas em nós mesmos, em nosso íntimo, e que não é uma tarefa fácil; exige empenho, estudo, dedicação. Não conseguiremos nunca nos aproximar delas se fugirmos de nos indagar e tentar descobrir a sua essência. Devemos recusar o dogmatismo, o utilitarismo, o relativismo, e procurar nossas próprias respostas." (Marcos Junior)

 

Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml
  • Fontes: Nunes, Carlos Alberto. Marginalia Platônica. Belém: Editora Universitária de UFPA, 1973. Platão. Fedão. Belém: Editora Universitária de UFPA, 2002
  • https://mosteirodoconhecimento.wordpress.com/2016/12/22/eutifron-piedade/
  • http://caminhadafilosofica.com/filosofia-e-religiao/resenhas/platao/eutifron.html

26 junho, 2021

[Palestra] Fédon de Platão (2010)/José Monir Nasser

 

 


 

Introdução

 

"No início da era cristã havia um diretor da biblioteca de Alexandria chamado Trazilo, e este Trazilo dividiu todos os diálogos platônicos em tetralogias, em grupos de quatro. A primeira tetralogia é esta que eu acabei de descrever pra vocês: Eutífron, Apologia de Sócrates, Críto e Fédon. Sendo que Fédonde longe, é o mais complexo e extraordinário. Porque tem toda a filosofia platônica dentro de si" (Monir)


Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Fédon é um dos grandes diálogos de Platão de seu período médio, juntamente com a A República e O Banquete. Fédon, que retrata a morte de Sócrates, também é o quarto e último diálogo de Platão a detalhar os últimos dias do filósofo depois das obras Eutífron, Apologia de Sócrates e Críton. (Wikipédia)

Trecho Destacado

 
The Death of Socrates By Jacques Louis David Hand



A verdade é que Sócrates era uma espécie de pobretão. Era filho de uma parteira chamada Feronete e de um escultor de pedras, não escultor no sentido artístico da palavra, mas no sentido de pedra de cantaria. Sendo filho desse casal, Sócrates não se tornou nunca na vida uma pessoa de posses. 

Passou a vida toda mais ou menos descumprindo as suas obrigações familiares de pai de família. Essa é a verdade. Sócrates só pensava numa única coisa, que era se levantar e ir para a praça pública, a ágora, em Atenas, onde passava o dia inteiro conversando com pessoas, quaisquer que se candidatassem a falar com ele, com o objetivo de, por meio dessa conversa, consertar a cabeça daquele com quem ele estava falando. Essencialmente é o que há aí: Sócrates achava que a sua missão sobre esta terra era ajudar os outros a desembarcarem das auto ilusões, dos enganos, das confusões que se faz nesse mundo das ideias

Cuidado com a expressão “tirano”, porque em português moderno parece sempre um sujeito muito mau. Dentro do conceito grego da palavra, tirano não é necessariamente um sujeito mau; é um rei que governa sem constituição. Um rei que governa arbitrariamente

Há grande diferença entre os diálogos socráticos e os platônicos. Todos são escritos por Platão, mas há esta diferença entre os dois: é que os diálogos  socráticos acabam, de modo geral, em aporias. A palavra “aporia” em grego tem o equivalente de “impasse” em português latino. “Impasse” é quando não consigo mais dar mais nenhum passo. E “aporia” quer dizer a mesma coisa em grego: apodos

Podos é pé em grego e o a é a partícula de negação. Portanto, o diálogo socrático quase sempre acaba numa situação em que ninguém consegue ir pra frente. Isso porque Sócrates não vai dar a resposta – e ele nunca quis dar resposta nenhuma. O que ele queria fazer apenas é que aquela pessoa que estava discursando e falando tivesse consciência de que ela não tinha a menor ideia do que estava falando


é o conceito hindu de metempsicose. Não é o conceito kardecista de reencarnação. Para um kardecista, uma pessoa nunca reencarna num animal, num ser que não seja outro ser humano. Mas, para os hindus, o conceito de reencarnação é assim, você pode reencarnar numa planta. É por isso que os hindus não comem carne, porque têm medo de fazer churrasco com a tia, a avó, o tio, ou coisa que o valha. Compreenderam?

 


Destino das Almas Após a Morte (Segundo o Fédon)

1
Incuráveis

  • Cometeram faltas inaceitáveis.
  • (“roubos de templos, repetidos e graves, homicídios iníquos e contra a lei”).
  • Lançadas para sempre no Tártaro.

2
Curáveis

  • Cometeram crimes graves. (“violência contra pai e mãe e homicídios”) num
  • momento de cólera e se arrependeram.
  • Lançadas no Tártaro e depois de um ano atiradas no rio Cocito (homicidas) e no rio Piriflegetonte (violentos contra pai e mãe), de onde podem passar para o lago Aquerúsia, se perdoadas por suas vítimas.

3
Medianas

  • Cometeram faltas sanáveis.
  • Transportadas pelo rio Aqueronte, passam a residir no lago Aquerúsia onde se purificam pelo tempo “marcado pelo destino” e renascem como animais (e até como seres humanos, caso das melhores).
  • Destino da Maioria das Almas

4
De vida bela e santa
  • Atravessaram a vida com pureza e moderação.
  • Vivem na terra, mas as purificadas pela filosofia são instaladas em lugares boníssimos.


Obras Mencionadas


 
A Sabedoria Das Leis Eternas
 - Mario Ferreira dos Santos


tradução recomendada

Conclusão

 

"Não há nenhum outro diálogo platônico em que ele tenha ido tão a fundo na descrição da teoria das formas como nesse aqui. Portanto, é a referência mais íntegra de todas. Sugiro muitíssimo que vocês leiam essa obra inteira. Porque o resumo que é feito aqui não consegue obviamente dar a dimensão verdadeira do conteúdo da obra."


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml
  • Fontes: Nunes, Carlos Alberto. Marginalia Platônica. Belém: Editora Universitária de UFPA, 1973. Platão. Fedão. Belém: Editora Universitária de UFPA, 2002

21 maio, 2021

[Palestra] Apologia de Socrátes de Platão (2010)/José Monir Nasser

 



Introdução


Ler grandes obras demanda um grande esforço.

Acredito que o esforço é compensado pelo conteúdo das ideias absorvidas.

Nada como um "facilitador" para tornar essa atividade mais agradável: hoje temos desde livros introdutórios a cursos pagos disponíveis. 

Tenho ouvido as palestras do Prof. Monir Nasser, que estão disponíveis gratuitamente no youtube como uma forma de entender melhor obras que foram escritas há séculos e cujo significado pode ser de complexo entendimento.



Trecho Destacado

 


(...) Sócrates, que quando é condenado à morte, diz assim: “Bom, pessoal, então terminado o julgamento, vamos embora. Eu vou para a morte, vocês vão pra vida. Só Deus sabe quem faz o melhor negócio”. É o que Sócrates diz nas últimas linhas da Apologia. Mostrando que como para ele, Sócrates, nunca interessaram questões do mundo, ele então se encontrava num estado talvez até privilegiado, porque “no outro mundo seguramente haverá pelo menos justiça”, ele diz assim para debochar do tribunal


 Sócrates argumenta que ir para o exílio seria equivalente a desobedecer a um deus e que o “maior bem para um homem é justamente este, falar todos os dias sobre a virtude e os  outros argumentos sobre os quais me ouvistes raciocinar, examinando a mim mesmo e aos outros, e, que uma vida sem exame não é digna de ser vivida”.

 

Autores Mencionados



  • “Apologia de Sócrates”, de Platão, da edição Ediouro, Rio de Janeiro, 18 a edição, tradução de Maria Lacerda de Moura.
  • O Bode Expiatório -  René Girard (o autor é mencionado, mas não o livro)
  • Traduções de obras gregas por Mário da Gama Kuri

Conclusão


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml