Mostrando postagens com marcador José Monir Nasser. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador José Monir Nasser. Mostrar todas as postagens

13 julho, 2021

[Palestra] Críton de Platão (2010)/José Monir Nasser

    




 

Introdução


Críton é um diálogo entre Sócrates e seu amigo rico Críton em matéria de justiça, injustiça, e a resposta apropriada à injustiça. Sócrates acha que a injustiça não pode ser respondida com a injustiça e se recusa a oferta de Críton de financiar sua fuga da prisão. Wikipédia

Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Citação 


"Um fato intermediário é que um amigo de infância de Sócrates, chamado Críto ou Crítão – depende da tradução que você usa – dois dias antes do dia fatal soube da notícia de que o barco tinha saído de Delos e no dia seguinte chegaria a Atenas.
Esse Críto suborna os guardas da prisão para que Sócrates pudesse fugir na noite da antevéspera do dia fatal. Sócrates recusa-se a fugir, e essa história está contada num diálogo chamado Críto. Diz que não vai de jeito nenhum, o que vão falar dele, o que vão achar dele, que passou a vida sendo ajudado pela cidade, e quando a cidade de alguma maneira o persegue, então agora ele foge? Como é que ele vai ter moral para pregar qualquer coisa para qualquer outra pessoa, tendo em vista o fato de que ele fugiu?
O diálogo é maravilhoso, magnífico. E Críton não tendo conseguido convencer Sócrates a fugir, a história toda vai para o dia em que começa o nosso diálogo, que é o último dia da vida desta pessoa extraordinária chamada Sócrates"


Obras Mencionadas


 



 

Conclusão



Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!


_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml

[Palestra] As Seis Doenças do Espírito Contemporâneo (2010)/José Monir Nasser

  


Introdução

Constantin Noica é um filósofo romeno. Seus estudos se distribuíram em todos os campos filosóficos, notadamente epistemologia, filosofia da cultura, axiologia, antropologia filosófica, ontologia e lógica.
 

Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Citação 

 
Nesta que é sua obra fundamental, o filósofo romeno Constantin Noica faz uma análise apurada das seis doenças espirituais do mundo contemporâneo. 

Ao lado das doenças somáticas, que conhecemos há séculos, e das doenças psíquicas, identificadas mais recentemente, existem outras, de ordem superior, denominadas doenças do espírito, ou doenças do ser, que Noica classifica em seis.

Três são provenientes da carência:

  • a todetite, que é a necesidade de encontrar o individual autêntico; 
  • a catolite, que é a carência do geral, típica do ser humano; e 
  • a horetite, que é a ausência de determinação.

As outras três são causadas pela recusa:

  • a acatolia, que é a recusa do indivíduo; 
  • a atodecia, que é a recusa ao geral, ao que é humano e individual; e por fim 
  • a ahorecia, que é a recusa das determinações.

Para chegar a tais conceitos, Noica examina grandes obras da literatura e da filosofia ocidentais, tornando este livro um compêndio de neuroses, de personagens e mitos. Vale conferir este texto extremamente inventivo.

esquema retirado do livro


Obras Mencionadas


 

 
 

Conclusão



Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!


_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml

03 julho, 2021

[Palestra] Eutífron de Platão (2010)/José Monir Nasser

  




 

Introdução

 

"No início da era cristã havia um diretor da biblioteca de Alexandria chamado Trazilo, e este Trazilo dividiu todos os diálogos platônicos em tetralogias, em grupos de quatro. A primeira tetralogia é esta que eu acabei de descrever pra vocês: EutífronApologia de SócratesCríto Fédon. Sendo que Fédonde longe, é o mais complexo e extraordinário. Porque tem toda a filosofia platônica dentro de si" (Monir)


Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Eutífron é um curto diálogo sobre a definição da piedade. Toda a estrutura está ordenada para responder diretamente à pergunta, “o que é a piedade?”. Vale ressaltar que o termo piedade denota uma virtude relacionada ao sagrado ou uma devoção ao divino. Sócrates e o personagem do título se encontram de passagem no pórtico do local reservado aos processos jurídicos. Eutífron acabara de acusar o pai pelo homicídio de um servo. Sócrates, por outro lado, está indo responder pelo crime de fabricar novos deuses e corromper a juventude, que como sabemos, posteriormente, culminará em sua condenação e morte. (mosteirodoconhecimento)
 

Trecho Destacado

 
The Death of Socrates By Jacques Louis David Hand


 Nenhum em especial, vide ainda a palestra sobre Apologia.

Não encontrei material escrito sobre essa palestra.

  

Conclusão

 

"Sócrates consegue que Eutífron volte para o mesmo ponto que havia refutado no início do diálogo, que a piedade seria uma expressão do que é amado pelos deuses. Dessa forma a idéia do adivinho seria instável, girando em círculos sobre o mesmo lugar.

Sócrates diz então: "se não distinguias com firmeza o que é piedoso do que não o é, não havia razão para acusar de homicídio seu velho pai". O filósofo o convida para continuar refletindo e buscando a resposta, até que tenha a firmeza necessária. Eutífron apresenta uma desculpa, falta de tempo, e se despede.

Nesse último ato, Platão mostra que as verdades devem ser buscadas em nós mesmos, em nosso íntimo, e que não é uma tarefa fácil; exige empenho, estudo, dedicação. Não conseguiremos nunca nos aproximar delas se fugirmos de nos indagar e tentar descobrir a sua essência. Devemos recusar o dogmatismo, o utilitarismo, o relativismo, e procurar nossas próprias respostas." (Marcos Junior)

 

Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml
  • Fontes: Nunes, Carlos Alberto. Marginalia Platônica. Belém: Editora Universitária de UFPA, 1973. Platão. Fedão. Belém: Editora Universitária de UFPA, 2002
  • https://mosteirodoconhecimento.wordpress.com/2016/12/22/eutifron-piedade/
  • http://caminhadafilosofica.com/filosofia-e-religiao/resenhas/platao/eutifron.html

26 junho, 2021

[Palestra] Fédon de Platão (2010)/José Monir Nasser

 

 


 

Introdução

 

"No início da era cristã havia um diretor da biblioteca de Alexandria chamado Trazilo, e este Trazilo dividiu todos os diálogos platônicos em tetralogias, em grupos de quatro. A primeira tetralogia é esta que eu acabei de descrever pra vocês: Eutífron, Apologia de Sócrates, Críto e Fédon. Sendo que Fédonde longe, é o mais complexo e extraordinário. Porque tem toda a filosofia platônica dentro de si" (Monir)


Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Fédon é um dos grandes diálogos de Platão de seu período médio, juntamente com a A República e O Banquete. Fédon, que retrata a morte de Sócrates, também é o quarto e último diálogo de Platão a detalhar os últimos dias do filósofo depois das obras Eutífron, Apologia de Sócrates e Críton. (Wikipédia)

Trecho Destacado

 
The Death of Socrates By Jacques Louis David Hand



A verdade é que Sócrates era uma espécie de pobretão. Era filho de uma parteira chamada Feronete e de um escultor de pedras, não escultor no sentido artístico da palavra, mas no sentido de pedra de cantaria. Sendo filho desse casal, Sócrates não se tornou nunca na vida uma pessoa de posses. 

Passou a vida toda mais ou menos descumprindo as suas obrigações familiares de pai de família. Essa é a verdade. Sócrates só pensava numa única coisa, que era se levantar e ir para a praça pública, a ágora, em Atenas, onde passava o dia inteiro conversando com pessoas, quaisquer que se candidatassem a falar com ele, com o objetivo de, por meio dessa conversa, consertar a cabeça daquele com quem ele estava falando. Essencialmente é o que há aí: Sócrates achava que a sua missão sobre esta terra era ajudar os outros a desembarcarem das auto ilusões, dos enganos, das confusões que se faz nesse mundo das ideias

Cuidado com a expressão “tirano”, porque em português moderno parece sempre um sujeito muito mau. Dentro do conceito grego da palavra, tirano não é necessariamente um sujeito mau; é um rei que governa sem constituição. Um rei que governa arbitrariamente

Há grande diferença entre os diálogos socráticos e os platônicos. Todos são escritos por Platão, mas há esta diferença entre os dois: é que os diálogos  socráticos acabam, de modo geral, em aporias. A palavra “aporia” em grego tem o equivalente de “impasse” em português latino. “Impasse” é quando não consigo mais dar mais nenhum passo. E “aporia” quer dizer a mesma coisa em grego: apodos

Podos é pé em grego e o a é a partícula de negação. Portanto, o diálogo socrático quase sempre acaba numa situação em que ninguém consegue ir pra frente. Isso porque Sócrates não vai dar a resposta – e ele nunca quis dar resposta nenhuma. O que ele queria fazer apenas é que aquela pessoa que estava discursando e falando tivesse consciência de que ela não tinha a menor ideia do que estava falando


é o conceito hindu de metempsicose. Não é o conceito kardecista de reencarnação. Para um kardecista, uma pessoa nunca reencarna num animal, num ser que não seja outro ser humano. Mas, para os hindus, o conceito de reencarnação é assim, você pode reencarnar numa planta. É por isso que os hindus não comem carne, porque têm medo de fazer churrasco com a tia, a avó, o tio, ou coisa que o valha. Compreenderam?

 


Destino das Almas Após a Morte (Segundo o Fédon)

1
Incuráveis

  • Cometeram faltas inaceitáveis.
  • (“roubos de templos, repetidos e graves, homicídios iníquos e contra a lei”).
  • Lançadas para sempre no Tártaro.

2
Curáveis

  • Cometeram crimes graves. (“violência contra pai e mãe e homicídios”) num
  • momento de cólera e se arrependeram.
  • Lançadas no Tártaro e depois de um ano atiradas no rio Cocito (homicidas) e no rio Piriflegetonte (violentos contra pai e mãe), de onde podem passar para o lago Aquerúsia, se perdoadas por suas vítimas.

3
Medianas

  • Cometeram faltas sanáveis.
  • Transportadas pelo rio Aqueronte, passam a residir no lago Aquerúsia onde se purificam pelo tempo “marcado pelo destino” e renascem como animais (e até como seres humanos, caso das melhores).
  • Destino da Maioria das Almas

4
De vida bela e santa
  • Atravessaram a vida com pureza e moderação.
  • Vivem na terra, mas as purificadas pela filosofia são instaladas em lugares boníssimos.


Obras Mencionadas


 
A Sabedoria Das Leis Eternas
 - Mario Ferreira dos Santos


tradução recomendada

Conclusão

 

"Não há nenhum outro diálogo platônico em que ele tenha ido tão a fundo na descrição da teoria das formas como nesse aqui. Portanto, é a referência mais íntegra de todas. Sugiro muitíssimo que vocês leiam essa obra inteira. Porque o resumo que é feito aqui não consegue obviamente dar a dimensão verdadeira do conteúdo da obra."


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml
  • Fontes: Nunes, Carlos Alberto. Marginalia Platônica. Belém: Editora Universitária de UFPA, 1973. Platão. Fedão. Belém: Editora Universitária de UFPA, 2002

12 junho, 2021

[Palestra] A Consolação da Filosofia de Boécio (2010)/José Monir Nasser

   


 

Introdução


Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


"Escrita na prisão por um condenado à morte, essa obra latina do século VI não deve nada, ou deve muito pouco, às circunstâncias "trágicas" de sua composição. Trata-se de uma obra-prima da literatura e do pensamento europeu; ela se basta, e teria o mesmo valor se ignorássemos tudo a respeito daquele que a concebeu entre duas sessões de tortura, à espera de uma execução. Mas, dado que essa obra-prima não é anônima, nada perde por ter um autor e ser situada em suas circunstâncias, torna-se também, assim, o testemunho da grandeza à qual um homem pode elevar-se pelo pensamento em face da tirania e da morte."(Amazon)


Trecho Destacado


  as musas inspiravam Boécio a reclamar da vida e a se lastimar... quem deixou estas fulaninhas entrar aqui? Ela, a filosofia é quem tem autoridade para curar aquele doente – Boécio está sofrendo esta tensão: está ao mesmo tempo desolado e disposto a entender.

  é muito mais que uma consolação = é uma cura pela filosofia

   Ortega e Gasset diz que o maior projeto que um sujeito pode ter é o de ser um gentleman → significa lidar com serenidade, bom humor, e generosidade mesmo estando em desgraça – o gentleman vive acima do patamar da Fortuna – ele não se deixa iludir nem hipnotizar pela parte boa (portanto não é exibicionista nem esbanjador quando ganha na loteria) nem se lamenta quando perde o dinheiro... lida com as duas situações com a mesma naturalidade

quem se submete à Fortuna é um animalzinho selvagem – a contingência estabelece a sua própria vida nós somos humanos e devemos criar um projeto acima disso

como esquecer das glórias do passado – alguém chegou a uma idade e está impotente, é preciso se lembrar de quantas vezes não esteve impotente; doente que se lembre de quando tinha saúde, e assim por diante.


Obras Mencionadas




  • Livro: O Trivium: As artes liberais da lógica, da gramática e da retórica - Miriam Joseph
Romance por Jean-Paul Sartre



Livro: O Mito de Sísifo, 
de Albert Camus



Conclusão


"Há muitas maneiras pelas quais nós temos acesso a conhecer as coisas tais como elas são, mesmo que essas coisas tais como elas são sejam enigmáticas, e que não se possa saber muito delas a não ser a definição do enigma. O enigma pode ser definido, embora eu não consiga decifrá-lo, em última análise. Definir o enigma já é uma grande coisa. Pra começar a ler filosofia, Boécio é o melhor caminho. "


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml

24 maio, 2021

[Palestra] Gênesis de Moisés (2010)/José Monir Nasser

 

 



Introdução


Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Trecho Destacado



Tradicionalmente atribuída a Moisés, que a teria recebido no Sinai por voltado ano 1400 a.C., a famosa “lei mosaica”, foi escrita, na verdade, por diversos narradores ao longo de muitas centenas de anos, a partir de tradições orais.

 Para os judeus, o Gênesis chama‑se “Bereshit”, que significa “No Princípio”. O nome “Gênesis” (como de resto o dos outros quatro livros) é grego, porque estabelecido na tradução “Septuaginta”, em que setenta rabinos, durante setenta dias, em 260 a.C., traduziram para o grego os originais hebraicos do Velho Testamento para atender judeus de língua grega

A obra que tem cinquenta capítulos narra a cosmologia judaica, o nascimento e a queda do homem, a destruição do mundo pelo dilúvio, seu repovoamento  pelos filhos de Noé, a história de Abraão e o início do povo judeu com as sagas de Isaque, de seu filho Jacó e, filho deste, José. A narrativa acaba com o estabelecimento dos judeus no Egito

Eva significa “desejo”. E o desejo passa a ser a mãe da humanidade. O problema da humanidade passa a ser entender o que fazer com isso. Esse desejo é fundamentalmente descrito aqui nesses três primeiros capítulos que estabelecem toda a estruturação do pensamento judaico. Nesses três capítulos, que nós lemos aqui com pormenores, está estruturada completamente a concepção existencial, a concepção
cosmológica judaica: o homem é um ser no meio, entre o céu e a terra. Quer dizer, ele está entre o espírito e a matéria. E ele tem consciência disso. 

Ele tem consciência de que representa simbolicamente Deus. Ele é uma espécie de modelo divino. Foi criado à imagem e semelhança. No entanto, ao ter comido esse fruto, ou seja, ao ter experimentado os frutos da terra e ter  percebido que há muita coisa nesse mundo que podia ser mais gostosa e mais agradável, o homem cria então uma tensão interna permanente entre o desejo de atender o céu, e subir, e o desejo de descer para a terra. Esse é o mundo em que nós vivemos. Essa é a situação existencial que nós vivemos. Adão! Simbolicamente todos os homens fizeram a escolha errada e fomos então expulsos do paraíso


Autores Mencionados



Conclusão


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/jose-monir-nasser-e-homenageado-no-teatro-sesi---campus-da-industria-1-14094-247610.shtml


21 maio, 2021

[Palestra] Apologia de Socrátes de Platão (2010)/José Monir Nasser

 



Introdução


Ler grandes obras demanda um grande esforço.

Acredito que o esforço é compensado pelo conteúdo das ideias absorvidas.

Nada como um "facilitador" para tornar essa atividade mais agradável: hoje temos desde livros introdutórios a cursos pagos disponíveis. 

Tenho ouvido as palestras do Prof. Monir Nasser, que estão disponíveis gratuitamente no youtube como uma forma de entender melhor obras que foram escritas há séculos e cujo significado pode ser de complexo entendimento.



Trecho Destacado

 


(...) Sócrates, que quando é condenado à morte, diz assim: “Bom, pessoal, então terminado o julgamento, vamos embora. Eu vou para a morte, vocês vão pra vida. Só Deus sabe quem faz o melhor negócio”. É o que Sócrates diz nas últimas linhas da Apologia. Mostrando que como para ele, Sócrates, nunca interessaram questões do mundo, ele então se encontrava num estado talvez até privilegiado, porque “no outro mundo seguramente haverá pelo menos justiça”, ele diz assim para debochar do tribunal


 Sócrates argumenta que ir para o exílio seria equivalente a desobedecer a um deus e que o “maior bem para um homem é justamente este, falar todos os dias sobre a virtude e os  outros argumentos sobre os quais me ouvistes raciocinar, examinando a mim mesmo e aos outros, e, que uma vida sem exame não é digna de ser vivida”.

 

Autores Mencionados



  • “Apologia de Sócrates”, de Platão, da edição Ediouro, Rio de Janeiro, 18 a edição, tradução de Maria Lacerda de Moura.
  • O Bode Expiatório -  René Girard (o autor é mencionado, mas não o livro)
  • Traduções de obras gregas por Mário da Gama Kuri

Conclusão


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml


09 fevereiro, 2019

[Livro] Odisseia (VIII a.C.)/ Homero

 





1 - Introdução 




Estou me esforçando para ter leituras mais profundas e difíceis, seguindo essa lista cronológica.

Li a Odisseia com a tradução de Carlos Alberto Nunes: mantenho as mesmas dificuldades de quando li a tradução de Ilíada do mesmo autor - minha falta de conhecimento da cultura grega e o trabalho redobrado para linguagem culta que o tradutor emprega. Contudo, achei a leitura desse livro um pouco menos exigente, talvez por ter me acostumado um pouco com a linguagem.

Mesmo com as dificuldades acima, é prazeroso terminar de ler mais uma obra clássica - é como tocar uma outra cultura e época por alguns momentos.

O vídeo abaixo pode ajudar a entender a estória muito melhor do que eu explicando:





2 - Lições 


Nada há pior, em verdade, que ao choro, sem pausa, entregar-se.

Moderação ninguém sabe mostrar, nem tem pena de nada, quando se trata de dar o que é de outrem, de que se disponha.

Nada há pior para os homens mortais do que errar sem destino.

Tudo deve ser feito com regra. Certo, ambos são censuráveis, aquele que força a partida de quem deseja ficar e o que impede a partida a visitas.


3 - Conclusão 


Gostei bastante dos sofrimentos do herói Odisseu e principalmente da cena do massacre dos pretendentes, uma sanguinolência total e épica.


"O traçado da Odisseia é de mais fácil apreensão, e, digamos, artisticamente de melhor planejamento, pela disposição concêntrica, em que o próprio herói do poema relata suas aventuras durante os dez anos de peregrinação, no empenho de retornar para a pátria, depois de conquistada, saqueada e destruída Troia, "e de terem sido massacrados ou vendidos como escravos seus moradores.

Enfim, recomendo a leitura.

  • Próximo Livro: VII a.C. Safo – Poemas

Grande abraço!  


______________________________________________________________

[Livro] Ilíada (VIII a.C.)/ Homero

 





Introdução 




Estou me esforçando para ter leituras mais profundas e difíceis, seguindo essa lista cronológica.

Li A Ilíada com a famosa tradução de Carlos Alberto Nunes: a linguagem desse erudito não é fácil e o dicionário no kindle não abarcou todas as expressões: isso me dá vontade de ter um dicionário eletrônico Hoauiss para poder carregar, mas no momento é inviável.

"O traçado da Ilíada é complicado, sendo mais dificilmente apreendida a ideia fundamental, que empresta unidade ao poema. Tendo tomado como tema um episódio secundário, secundaríssimo, que dura apenas alguns dias numa campanha de dez anos, como seja a rixa entre os dois chefes Aquivos, por causa de uma escrava, conseguiu Homero, de fato, apresentar-nos em painéis gigantescos toda a Guerra de Troia, cujos acontecimentos nos são rememorados com habilidade nos primeiros cantos, ficando-nos, no fim da leitura do poema, que termina com a morte e os funerais de Heitor"

Outra dificuldade da leitura é minha falta de conhecimento profundo da mitologia grega, a qual a Ilíada faz muitíssimas referências. Essa camada do texto permanece um tanto quanto inacessível para mim.

Mesmo com as dificuldades acima, é prazeroso terminar de ler uma obra clássica. Se eu conseguir ler a lista inteira, pretendo voltar ao começo e repetir mais madura a leitura. 

O vídeo abaixo pode ajudar a entender a estória muito melhor do que eu explicando:




Lições 


"carros vazios puxavam, cortando, ruidosos, o campo, sem seus aurigas valentes, os quais sobre o solo jaziam, vista mais grata aos abutres, por certo, que às tristes esposas."

"É necessário, com ânimo firme, levar para o túmulo os que tombaram, chorando-os apenas o espaço de um dia. "



Conclusão 


De toda sorte, se eu pudesse resumir, diria que é uma poema que narra uma batalha épica entre duas potência gregas da antiguidade. Uma guerra que começou por causa de um adultério (ou pela vontade dos deuses) e ceifou a vida dos maiores heróis dessa época ao longo de uma década.

A tristeza é que tudo isso poderia ter sido evitado: milhares morreram por causa de uma sucessão de ofensas que foram crescendo geometricamente em gravidade: uma falta de respeito dá origem a um adultério, que gera um rapto, que gera um conflito político, que gera uma guerra, que gera um morticínio. Tudo por causa de uma trepada...

Enfim, recomendo a leitura.

Próximo Livro: Odisséia, do mesmo autor.

"O traçado da Odisseia é de mais fácil apreensão, e, digamos, artisticamente de melhor planejamento, pela disposição concêntrica, em que o próprio herói do poema relata suas aventuras durante os dez anos de peregrinação, no empenho de retornar para a pátria, depois de conquistada, saqueada e destruída Troia, "e de terem sido massacrados ou vendidos como escravos seus moradores.

Grande abraço!  

______________________________________________________________


Dânaos: em Homero, temos vários nomes para designar os gregos genericamente: dânaos, aqueus (ou aquivos ou acaios), argivos e helenos

16 dezembro, 2013

[Aulas] José Monir Nasser (1957-2013)

 



ID

Nome

Status

Google Drive

M01

 Ilíada, Homero

 

https://goo.gl/1atMCb

M02

 Odisséia de Homero

 

https://goo.gl/aQLNaS

M03

 Prometeu Acorrentado, Ésquilo

 ouvido

https://goo.gl/etQ9F1

M04

 Orestéia/As Eumênides, Ésquilo

 

https://goo.gl/mVezzy

M05

 Édipo Rei, Sófocles

 

https://goo.gl/y2LDpu

M06

 Antígona, Sófocles

 

https://goo.gl/7KCd4p

M07

 A Tempestade, William Shakespeare

 

https://goo.gl/1B7hgL

M08

 Mercador de Veneza, William Shakespeare

 

https://goo.gl/f1tWvt

M09

Medida por Medida, Shakespeare

 

https://goo.gl/H6uk5K

M10

 Macbeth, William Shakespeare

 

https://goo.gl/sEqtrN

M11

 Otelo, William Shakespeare

 

https://goo.gl/uKRmKi

M12

 Rei Lear, William Shakespeare

 

https://goo.gl/sGqyxi

M13

 Hamlet, William Shakespeare

 

https://goo.gl/8u2N6V

M14

 Crime e Castigo, Fiódor Dostoiévski

 

https://goo.gl/V9FvCH

M15

 Os Irmãos Karamázov, Fiódor Dostoiévski

 

https://goo.gl/yR56vW

M16

 Os Demônios, Fiódor Dostoiévski

 

https://goo.gl/qQXBbw

M17

 O Idiota, Fiódor Dostoiévski

 

https://goo.gl/k2aXYR

M18

 Notas do Subsolo, Fiódor Dostoiévski

 

https://goo.gl/pDg2z2

M19

 A Morte de Ivan Ilitch, Lev Tolstói (Transcrição da aula)

 

https://goo.gl/Wx18u1

M20

 Ana Karênina, Lev Tolstói

 

https://goo.gl/SnoPVX

M21

 Almas Mortas, Nikolai Gogol

 

https://goo.gl/8DwTej

M22

 O Inspetor Geral, Nikolai Gogol (Transcrição da Obra)

 

https://goo.gl/ph6zBc

M23

 Ilusões Perdidas, Honoré de Balzac

 

https://goo.gl/evux7W

M24

 Eugénie Grandet, Honoré de Balzac

 

https://goo.gl/qCeaAF

M25

 O Misantropo, Molière

 

https://goo.gl/27tVoC

M26

Dom Juan, Molière

 

https://goo.gl/7oKvok

M27

 Tartufo, Molière

 

https://goo.gl/ytTxzJ

M28

 Fedra, Racine

 

https://goo.gl/GJwd6T

M29

 Esperando Godot, Samuel Beckett

 

https://goo.gl/zgwm86

M30

O Pato Selvagem, Henrik Ibsen

 

https://goo.gl/u74bR6

M31

 Um Inimigo do Povo, Henrik Ibsen

 

https://goo.gl/v4135x

M32

 O Rinoceronte, Eugène Ionesco

 

https://goo.gl/xwtC1B

M34

 Morte em Veneza, Thomas Mann

 

https://goo.gl/ZiSr6w

M35

 Doutor Fausto, Thomas Mann

 

https://goo.gl/9Yymr5

M36

 A Montanha Mágica, Thomas Mann

 

https://goo.gl/9hWzED

M37

 Retrato de um Artista Quando Jovem, James Joyce

 

https://goo.gl/M8uvuk

M38

 Ulisses, James Joyce

 

https://goo.gl/Q9AXpx

M39

 Os Noivos, Alessandro Manzoni

 

https://goo.gl/Tnce4V

M40

 Dom Quixote, Miguel de Cervantes

 

https://goo.gl/u345u3

M41

O Falecido Matias Pascal, Pirandello

 

https://goo.gl/NwMmcp

M42

 Seis Personagens à Procura de um Autor, Luigi Pirandello

 

https://goo.gl/iKYWua

M43

 Diário de um Pároco de Aldeia, Georges Bernanos

 

https://goo.gl/6oPhjh

M44

 A Divina Comédia, Dante Alighieri

 

https://goo.gl/iG9mBf

M45

 A Metamorfose, Franz Kafka

 

https://goo.gl/7XJm8o

M46

 O Processo, Franz Kafka

 

https://goo.gl/bfXKqE

M47

 O Castelo, Franz Kafka

 

https://goo.gl/uSYZoS

M48

 Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley

 

https://goo.gl/xDJEVQ

M49

 A Ilha, Aldous Huxley

 

https://goo.gl/V1nJuQ

M50

 1984, George Orwell

 

https://goo.gl/bLYuXU

M51

 O Senhor dos Anéis, J. R. R. Tolkien

 

https://goo.gl/3kWyPE

M52

 Tristão e Isolda, Richard Wagner

 

https://goo.gl/fMXBYa

M53

O Vermelho e o Negro, Stendhal 

 

https://goo.gl/SQBG7W

M54

 A Cartuxa de Parma, Stendhal

 

https://goo.gl/ZzmE9T

M55

 Fausto (Primeiro), Wolfgang von Goethe

 

https://goo.gl/P7FjhR

M56

 Fausto (Segundo), Wolfgang von Goethe

 

-

M57

 Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister, Wolfgang von Goethe

 

https://goo.gl/TSmNwb

M58

 Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis

 

https://goo.gl/etAf2G

M59

 O Jogo das Contas de Vidro, Hermann Hesse

 

https://goo.gl/emjeLU

M60

 O Processo Maurizius, Jacob Wassermann

 

https://goo.gl/wdJaj7

M61

 Moll Flanders, Daniel Defoe

 

https://goo.gl/f4o7CP

M62

 O Coração das Trevas, Joseph Conrad

 

https://goo.gl/CGKgFx

M63

 Terra Arrasada, T. S. Eliot

 

https://goo.gl/jUVUTw

M64

 Madame Bovary, Gustave Flaubert

 

https://goo.gl/DjwDrm

M65

 A Morte de Virgílio, Hermann Broch

 

https://goo.gl/r4pidk

M66

 Moby Dick, Herman Melville

 

https://goo.gl/K9jjKZ

M67

 No Caminho de Swann, Marcel Proust

 

 

M68

 Os Lusíadas, Luís de Camões

 

https://goo.gl/RBvnhT

M69

 Teogonia, Hesíodo

 

 

M70

 O Estrangeiro, Albert Camus - Interpretação da Obra 

 

https://goo.gl/wj9tXB

M71

 O Livro de Jó, Bíblia

 

https://goo.gl/e4nrQZ

M72

 Sonho de uma Noite de Verão, William Shakespeare

 

 

M73

 Noites de Reis, William Shakespeare

 

 

M74

 Eneida, Vigílio

 

 

M75

 Castro, Antônio Ferreira

 

 

M76

 Mensagem, Fernando Pessoa

 

 

M77

 Michael Kohlhaas, Heinrich Von Kleist

 

 

M78

 O Homem sem Qualidades, Robert Musil

 

 

M79

 Père Goriot, Honoré de Balzac

 

 

M80

 Um Dia na Vida de Ivan Denisovitch, Alexandre Soljenitzin

 

 

M81

 Woyzeck, Georg Büchner

 

 

M89

   A Peste, Albert Camus

 

 

M90

 Como Ler um Livro, Mortimer J. Adler / Charles Van Doren 

 ouvido

https://goo.gl/9o2Kq3

M91

 Confissões, Santo Agostinho

 

https://goo.gl/XuugJj

M92

 Sobre o Sermão da Montanha, Santo Agostinho

 

https://goo.gl/ccyuja

M93

 A Consolação da Filosofia, Severino Boécio

 

https://goo.gl/2Lb5DW

M94

 Apologia de Socrátes, Platão

 

https://goo.gl/QFYoC1

M95

Fédon, Platão

 

https://goo.gl/8C74Zb

M96

 Fedro, Platão

 

https://goo.gl/tcPP2Q

M97

 Menon, Platão

 

https://goo.gl/a7nmM7

M98

 O Banquete, Platão

 

https://goo.gl/BNC6Zb

M99

 República de Platão, Platão

 

 

M100

 Em Busca de Sentido, Viktor Frankl

 

https://goo.gl/Jn96As

M101

 A Crise do Mundo Moderno, René Guénon

 ouvido

https://goo.gl/1fH4zW

M102

 O Reino da Quantidade, René Guénon

 

https://goo.gl/694sfT

M103

 A Traição dos Intelectuais, Julien Benda

 

https://goo.gl/Q6LgJQ

M104

 As Seis Doenças do Mundo Contemporâneo, Constantin Noïka

 

https://goo.gl/Qwn1jd

M105

 Medéia, Eurípedes

 

 

M106

 Notas para uma Definição de Cultura, T. S. Eliot

 

 

M107

 O Homem Revoltado, Albert Camus

 

 

M108

 O Jardim das Aflições, Olavo de Carvalho

 

 

M109

 A Rebelião das Massas, Jose Ortega y Gasset

 

 

M110

CURSO - Ortodoxia, G. K. Chesterton

 

https://goo.gl/bguedb

M111

CURSO - A Política, Aristóteles

 

https://goo.gl/hRz5gx

M112

CURSO - Ética a Nicómaco - Aristóteles

 

https://goo.gl/HiX7jc

M113

Curso - O Saber dos Antigos, Giovanni Reale (suspeita)

 

https://goo.gl/GiHjEK

 

 

 

 

 

AVULSOS

 

 

M114

Análise do Filme, Quem somos nós

 

https://goo.gl/nv8m1k

M115

AULA 01 - Minicurso da História da Filosofia Ocidental - Grécia

 ouvido 

https://goo.gl/nkkprN

 M116

 Hércules, Menelaos Stephanides

 

 http://bit.ly/2IzxwKO

M117

The Waste Land

 

http://bit.ly/2Vx9cOU

___________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas