Mostrando postagens com marcador Hábitos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Hábitos. Mostrar todas as postagens

18 abril, 2021

Mentores: Minha Busca por Eles

 

Foto de Thirdman no Pexels
"Eu era cego e agora posso ver..."


Introdução


Infância (pode pular essa parte)


Desde criança, me era uma verdade óbvia por si mesma que ser forte é importante pra caramba nesse mundo.

Talvez porque eu apanhasse de meu irmão, que era 5 anos mais velho, ou porque sofria bullying leve na escola, ser forte era essencial e eu não era.

Influenciado pelos filmes de ação dos anos 90, percebi nessa época que precisava de um treinador para me tornar menos fraco, afinal eu era um gordinho tetudo e nada mais.

Não encontrei nenhum Sr. Miagi para me chamar de Daniel e nem tinha nenhum japa na minha vizinhança que pudesse me adotar como pupilo. Pior: minha mãe tinha ojeriza de artes marciais. Eu estava condenado a ser um beta...


Adolescência (pode pular essa parte)


Essa fase mudou minha vida.

Quando cheguei no ensino médio, o bullying já era uma mera lembrança. Nada como sair de 1,74 a chegar a 1,87 em poucos meses.

Mesmo praticando artes marciais, nenhum de meus professores conseguia ou parecia querer passar a parte filosófica além do decoreba de 4 ou 5 frases (o negócio deles era comer pepeka /beber cerveja no tempo livre, hehe). Até tinha um professor que conseguia passar algo de relevante, mas ele era de caratê estilo shotokan e eu não gostava desse estilo (achava muito parado).

 

Minha Experiência (Fase Adulta)


"provai de tudo e retei o que funciona"


"Criei" um método de auto-mentoria.


Leio várias fontes (livros/filmes/animações/documentários/memórias/ fóruns/posts/blogs/médicos/fisioterapeutas/parentes/anônimos/ colegas de trabalho/cultos religiosos/funerais/outros rituais etc) ao longo dos anos dos temas que elegi como interessantes (carreira/corpo/finanças/ mente/hobbies/ organização/ social), testo/reflito/ medito várias ideias /sentimentos/ teorias/drogas/alimentos/ hábitos/práticas/rotinas etc por semanas/meses/anos. Cada uma dessas fontes contribui de maneira cada vez mais ínfima com o resultado final, mas esse processo não pode parar porque a mente não se alimenta apenas de pão.

 

Chamo esse "método" de pensar, hehe, e acho que vou patentear como coach.

O que aparentemente funciona é incorporado a meus hábitos/personalidade como sempre tivesse sido assim. 

E os (muitos) erros?

Sofri, sofro, sofrerei a consequência deles até o fim.


Conclusão


Enfim, tornei-me, de certa forma, o mentor que sempre busquei na infância (antes tarde do que nunca, hehe).

O "método" é tentar pensar melhor a cada dia.

Grande abraço!

__________________________________________________________

07 abril, 2021

Disciplina, Como obter?

Foto de Simon Migaj no Pexels




Introdução



Gostei da proposta Scant e vou tentar ser o mais sucinto possível, expondo as minhas dores em um ou dois parágrafos.

Creio que o meu maior problema no mundo hoje é ter constância e disciplina nas coisas que eu quero fazer. Eu sei exatamente o que eu quero da minha vida, eu tenho todas as ferramentas para atingir os meus objetivos: tenho saúde, tenho um bom emprego concursado, sou razoavelmente inteligente e tenho conhecimentos. Porém, sou muito acomodado, demoro para tomar iniciativa de fazer as coisas, perco muito tempo em redes sociais e tenho muita dificuldade de organizar as coisas em minha mente. Nesse sentido, as minhas finanças estão desorganizadas, não consigo ter uma visão dos meus projetos, dos meus objetivos, dos meus sonhos, daquilo que realmente quero. Já até pensei em contratar algumas horas de coaching, mas não sei se seria legal terceirizar para outra pessoa algo que deveria ser feito por mim. Então, se você puder me dar algumas dicas de como organiza o seu tempo, como define e atinge os seus objetivos, como faz o acompanhamento disso para ter os resultados que deseja, eu ficarei muito grato. Dá pra perceber pelo seu blog que você é uma pessoa organizada, disciplinada e que sabe o que quer e como chegar lá.

Desde já obrigado!


Todo mundo, em regra, tem uma rotina disciplinada (conjunto de hábitos).

Todos os dias, o ser humano comum acorda, faz algum tipo de higiene (ou não), come (ou não) alguma coisa, gasta sua atenção com pessoas ou coisas (internet, televisão, rádio etc); vai trabalha  em casa ou fora dela (ou não) e termina o dia da mesma forma (jantando ou vendo tv ou lendo etc, para em seguida dormir e recomeçar esse ciclo)

Eventualmente, por um desejo/necessidade psicológica (sentimento de auto realização,  por exemplo)  ou fisiológica (ganhar dinheiro para comprar comida, por exemplo) somos obrigados a alterar a rotina para nos dedicarmos a desenvolver uma atividade útil no sistema capitalista para atingir um dos fins acima.

Se o sentimento que motiva esse desejo/necessidade não for forte o suficiente dentro de nós, dificilmente mudaremos: "a necessidade faz o sapo pular".

Fase Inicial


Como não somos anfíbios de cérebro simples, podemos por meio do pensamento/reflexão/meditação amplificar o(s) sentimento (s) que nos motivam a sair da inércia (ambição, prazer, alegria etc) e reduzir o(s) sentimento(s) que nos fazem continuar inertes (preguiça, medo, etc*)

* as vezes, o sentimento negativo pode ser a emoção mais motivadora, como no caso do medo de passar fome associada a vontade de trabalhar.


 Aqui não há muito a ser feito além de de concentrar e ir vencendo cada minuto na guerra contra a inércia em um dia de cada vez.


A boa notícia é que superada a fase inicial de conflito entre antigos e novos hábitos; um novo hábito (melhor ou pior que o antigo) é consolidado  e passamos a utilizá-lo como se sempre tivéssemos agido desse jeito.

A má notícia é que essa fase inicial pode demorar semanas ou meses para ser ultrapassada, a depender de pessoa para pessoa.  

Métodos 


Existem inúmeros métodos prontos que prometem aumentar sua produtividade. 

Isso pode ser ou não uma verdade a depender ou não da sua adaptabilidade a eles: provai de tudo e retei o que é bom. Na verdade, nada supera a prática e o que aprendemos diretamente com ela sem passar por nenhum método. Fora que muita gente procrastina lendo sobre a prática ao invés de simplesmente fazer.

Ler sobre sexo não se compara a copular. Ler sobre nadar não se compara a nadar.


Você pode escolher um método e tentar implementá-lo desde a fase inicial, sabendo que o efeito não é imediato e pode demorar semanas até ser consolidado.

Divido os métodos em métodos gerais e especiais.

Métodos Gerais


São Impessoais 

Buscam abarcar a realidade como um todo e otimizar nossa maneira de lidar com ela


Eis alguns métodos Gerais:

  • - GTD
  • - ZTD
  • - Scrum
  • -5S
  • - Bullet Journal
  • - Milagre da Manhã

Métodos Especiais


São pessoais

São os hábitos práticos que as pessoas utilizam. 

É o jeito pessoal de cada pessoa diante da realidade

aprendemos sobre eles de forma esparsa, mas hoje em dia já temos compilações como no caso do livro "O segredo dos artistas"

Obs: há alguns métodos especiais que, apesar de não serem pessoais, só abarcam um ou poucos aspectos de uma área da vida, como métodos de finanças (Bastter System, por exemplo) ou para o corpo/saúde ideal (programa Clean, por exemplo)


Conclusão


Mude (ou não) seus hábitos e obtenha (ou não) seu objetivos.

Grande abraço!

____________________________________________________

19 março, 2021

O Hábito da Raiva no Trabalho

 



Atualizado em 16-07-21


Introdução 


"Scant, havia comentado no post Rotina de Trabalho. Vi que outro leitor (Jotabê) também comentou nesse post se referindo ao passado dele, especificamente sobre o desgaste que a vida profissional trouxe a ele. Você citou sobre tudo estar na nossa mente. A bíblia tem citações nesse sentido, já li a uns 3 ou 4 anos o livro O Poder do Subconsciente, achei um bom livro.
Você gosta desse tipo de leitura? Recomenta algum livro que possa trazer bons ensinamentos sobre como lidar com desgastes do cotidiano, ou mesmo para lidarmos com a raiva?
Estou num momento que quero mudar algumas coisas, mas não sei por onde começar e acho que isso acaba pesando ainda mais sobre a saúde emocional e física. Sei que estou comentando algo que nada tem haver com seu post, mas se puder indicar alguma coisa fico agradecido. Scant, a minha questão tem duas bases. A insatisfação com algumas coisas do trabalho que eu não vou conseguir mudar, porque depende de outras pessoas e meu trabalho é muito engessado nesse sentido.
Outro ponto é que já a algum tempo penso em alternativas para sair disso e não só mudar de trabalho, como ter mais independência de forma geral.
Essa indefinição, aliada ao convívio com pessoa e função que não gostaria de fazer geram insatisfação e as vezes raiva, mas eu sei que tenho que lidar melhor com isso."


Lidando em 3 Etapas


O ideal para resolver qualquer problema, é buscar a causa e eliminá-la: por exemplo, trocar de trabalho/empresa/ramo/atividade ou setor na mesma empresa. 

Todo mundo sabe disso.

Na vida real, a causa nem sempre pode ser descoberta ou mesmo destruída: logo, soluções menos eficazes (paliativos) são o que se tem pra hoje:




Trabalho engessado: essa não tem jeito de resolver, a menos que você tenha poder de mudar as regras do seu trabalho, o que é um poder raro. Então, o jeito é se acostumar e tentar ver as 3 vantagens mágicas do trabalho em ordem de importância: paga as contas, paga as contas e paga as contas.

Experiência do Scant: Eu mesmo sou um carimbador moderno de um trabalho que acho sem sentido na maior parte do tempo e por isso digo que o jeito é levar a vida na maior calma nesse mundo capitalista. Se eu não consigo um trabalho melhor, é porque não sou tão bom assim ou porque não é tão importante para minha vida ao ponto de eu me dedicar focadamente a isso.


na faculdade fiz muitos trabalhos sozinhos e coloquei o nome de colegas.
colegas tb fizeram o mesmo por mim. mesmo que não tivessem
 feito, ficaria satisfeito pq gostava de estudar com afinco nessa época, mas 
esse modelo não se aplica literalmente ao mercado de trabalho.


Colegas de trabalho ruins: já passei muito por isso até que cheguei em um setor que tem pessoas razoáveis e mesmo quando alguma delas, em algum momento, não é razoável comigo: tento tratá-la o melhor possível, pois

  • relacionamentos profissionais duram anos e pequenas crises são naturais. 

Trate bem seus colegas e seja paciente, você não tem nada a perder e a parte negativa só existe na sua mente.

Tratar as pessoas bem, ainda que por educação ou interesse, pode trazer frutos. Sempre que posso, tento tratar bem meus colegas: ouvindo suas reclamações, apoiando suas posições e elogiando suas iniciativas. Não chego à perfeição do puxa-saco, mas dificilmente usaria uma palavra dura com um deles.

 


Práticas  alternativas - coisas simples (sugestões abaixo) podem melhorar a qualidade de vida como um todo diminuindo o impacto do stress laborativo:

  • alimentação natural
  • prática regular de atividade física
  • passeio ao ar livre em ambientes naturais
  • ervas calmantes (erva cidreira, mulungu, valeriana, passiflora etc)
  • beber água (1,5 - 2 litros por dia)
  • férias em locais com natureza intocada ou preservada
  • meditação, oração, jejum intermitente
  • Quiropraxia, RPG
  • massoterapia, acunpuntura
  • etc

Bibliografia sugerida: Scant SA (minha compilação) ou pesquise no google


 Conclusão



Se não pode curar a doença, administre os sintomas.

No final vc vai morrer mesmo e o mundo vai continuar como se vc nunca tivesse existido. Nossa existência insignificante é a prova que perder tempo se estressando é só uma perda de tempo.

Grande abraço!

____________________________________________________

13 março, 2021

Rotina de Trabalho

 

Hiroshi Yoshimura



Introdução

Estabelecer hábitos e rotinas é importante.

No passado, quando estava na casa dos 20, eu tinha objetivos claros que me motivavam diariamente: coisas como terminar uma faculdade, me preparar e passar em um concurso e obter autonomia financeira para pagar minhas contas.

Nessa época, tinha uma rotina bem estruturada ainda que não escrita, da qual já falei nesse post. A parte positiva é que atingi a maior parte dos meus objetivos nessa época.

Hoje no final da casa dos 30, não tenho mais objetivos, apenas hábitos. Os eventuais objetivos que restam, nem de longe me motivam a continuar dando o meu máximo/melhor para obtê-los, pois eles já não me trarão uma grande melhora da qualidade vida e, com o tempo, creio que vou atingi-los sem grande esforço. 

Afinal já tenho o suficiente para atender minhas necessidades, que estão longe de ser luxuosas, e ando bastante desiludido com a civilização atual e seus valores consumistas, que não quero que assombrem a vida que me resta, pois "caixão não tem gaveta". 

Mesmo assim, com a finalidade de prevenir o Alzheimer e manter minha mente em desenvolvimento pelas próximas décadas, vou buscar nesse post estruturar uma rotina básica (como tudo nesse blog) de trabalho focado.


Ritual


  • Onde trabalho e por quanto tempo 
      • - trabalho no meu "home-office" sozinho com a porta fechada (sem trinco) esperando não ser interrompido por minha mulher. Caso ela o faça, deve receber uma "carranca" como forma de gratidão. Creio que posso produzir por entre 60 a 90 minutos por dia desde que eu esteja interessado no assunto.
        • depois desse tempo, o ideal seria sair pra dar uma caminhada, sempre que possível.
      • eventualmente ainda consigo "produzir" em lugares aleatórios, como um trem ou uma fila de espera qualquer, desde que o assunto me envolva. Afinal se a leitura é boa, a privada se torna um "confessionário".
      • nunca tive grande apreço por bibliotecas ou salas de estudo. Trabalhar em casa é bem mais confortável.


  • Como trabalho depois de começar
      • Ainda que eu não tenha ume meta diária de páginas ou palavras escritas (bem que poderia ter), creio que os maiores ladrões de atenção atuais são a internet ( a tentação de navegar a esmo, os e-mails inúteis, as redes sociais viciantes) e o celular (com suas infinitas notificações dos assuntos inúteis já mencionados).
      • Claro que desligar o celular e/ou utilizar um notebook sem internet podem melhorar o quesito concentração nos tempos atuais.
      • quando não for o caso de assistir vídeo-aulas/palestras, musica ambiente me ajuda a esquecer barulhos externos sem perder o foco da leitura ou escrita. Recentemente descobri a música de Hiroshi Yoshimura, esse tiozinho sabia como compor temas relaxantes.


  • Como dou suporte a meu trabalho
      • diferente de muitos não tomo café para esse trabalho, pois já uso regularmente cafeína em cápsulas (inclusive misturado com extrato de guaraná) para musculação. Claro que as vezes uso parte do foco que essas drogas me deram quando treinei mais cedo no mesmo dia. Ando testando colina para aumentar a clareza mental. 
      • não faz sentido alterar os horários de minhas refeições para trabalhar mais ou comer mais pra trabalhar com mais prazer, pois as refeições que faço já estão presas a um plano de dieta de longo prazo. E passar fome, não passo.
      • uma das grandes vantagens de se trabalhar em casa é poder regular a temperatura e o vestuário que se usa: meu escritório caseiro tem ar condicionado e posso estudar de cuecas (pelado não vale pena, pois minhas bolas podem atrapalhar). 
      • Melhor: minha mulher é minha "secretária" e posso trepar com minha secretária sem medo de minha mulher descobrir.


Conclusão

Estabeleça seus rituais de trabalho, seja produtivo enquanto se esquece do mundo e descubra o prazer de trabalhar de modo focado nos seus temas de interesse.

Mantenha o foco.

Grande abraço!

______________________________________________

07 fevereiro, 2021

[Livro] Os Segredos dos Grandes Artistas (2017)/ Mason Currey - Parte 3


Foto de Suzy Hazelwood no Pexels

Sigmund Freud (1856–1939)
  • Freud levantava-se todos os dias às 7 horas, tomava café da manhã e tinha a barba aparada por um barbeiro que ia à sua casa diariamente. Em seguida, atendia pacientes para análise das 8 às 12 horas. A principal refeição do dia era servida pontualmente às 13 horas. Freud não era um gourmet – não gostava de vinho nem de frango, e preferia uma dieta de classe média, como carne cozida ou assada – mas gostava de comer, e o fazia concentrado, em silêncio.
  • Às 15 horas, dava consultas, que eram seguidas por mais pacientes de análise, muitas vezes até as 21 horas. Então, a família fazia a ceia e Freud jogava cartas com a cunhada ou dava um passeio com a esposa ou uma das filhas, às vezes parando em um café para ler os jornais. O restante da noite ficava em seu estúdio, lendo, escrevendo e executando tarefas editoriais para publicações dedicadas à psicanálise, até 1 hora ou mais tarde.
Gustav Mahler (1860–1911)
  • Acordava às 6 horas ou 6:30 e imediatamente chamava o cozinheiro para preparar seu café da manhã: café moído na hora, leite, pão, manteiga e geleia, que o cozinheiro levava até a cabana de pedra onde Mahler compunha, na floresta.
     
    Mahler trabalhava até o meio-dia, quando, então, voltava em silêncio para o seu quarto, trocava de roupa e ia até o lago para dar um mergulho.

     A refeição era, de acordo com a preferência de Mahler, leve, simples, bem cozida e com um mínimo de temperos. “Seu objetivo era satisfazer-se sem atiçar o apetite ou causar qualquer sensação de peso”, escreveu Alma, a quem a dieta parecia a “dieta de um inválido”. Gustav e Alma Mahler, perto de sua residência de verão, 1909 Após o almoço, Mahler arrastava Alma para uma caminhada de três ou quatro horas ao longo da beira do lago, fazendo paradas ocasionais para anotar ideias em seu caderno, contando o tempo no ar com o lápis.
  

Richard Strauss (1864–1949)


  •  Meu dia de trabalho é muito simples; eu me levanto às 8 horas, tomo um banho e o café da manhã – três ovos, chá, “Eingemachtes” (geleia caseira); então dou um passeio de meia hora pelo Nilo no palmeiral do hotel e trabalho das 10 horas até as 13 horas; a orquestração do primeiro ato avança devagar e sempre. Almoço às 13 horas. Após o almoço, leio meu Schopenhauer ou jogo Bezique com a Sra. Conze, apostando alguns trocados. Trabalho das 15 às 16 horas; tomo chá às 16 horas e depois saio para uma caminhada até as 18 horas,

Henri Matisse (1869–1954)
  • Há mais de 50 anos não paro de trabalhar por um instante. Fico sentado das 9 horas ao meio-dia. Daí almoço. Em seguida, tiro um cochilo e pego nos pincéis novamente às 14 horas, e trabalho até a noite.

Joan Miró (1893–1983)

  • Levantava-se às 6 horas, fazia sua higiene, tomava café e comia algumas fatias de pão. Às 7 horas, ia para o estúdio e trabalhava sem parar até o meio-dia, quando parava para fazer uma hora de exercícios vigorosos, como boxe ou corrida. Às 13 horas, se sentava para um almoço frugal, mas bem preparado, que arrematava com um café e três cigarros, nem mais nem menos. Em seguida, praticava sua “ioga do Mediterrâneo”, um cochilo de apenas cinco minutos. Às 14 horas, recebia a visita de um amigo, tratava de negócios ou escrevia cartas. Às 15 horas, voltava para o estúdio, onde ficava até a hora do jantar, às 20 horas. Após o jantar, lia um pouco ou ouvia música.


Gertrude Stein (1874–1946)

  • nunca conseguiu escrever muito além de meia hora por dia, mas acrescentou: “Se você escrever meia hora por dia, acaba escrevendo muito com o passar dos anos. Para ter certeza de que todos os dias, o dia todo, você fica esperando para escrever aquela meia hora por dia.”

Ernest Hemingway (1899–1961)

  •  Durante a vida adulta, Hemingway levantava-se cedo, às 5:30 ou 6 horas, despertado pelas primeiras luzes do dia.
     
    Escrevia em pé, de frente para uma estante na altura do peito, com uma máquina de escrever e uma lousa de madeira em cima ali apoiadas. Os primeiros esboços eram feitos a lápis em papel para datilografia, dispostos obliquamente pela lousa.
     
    Ele acompanhava sua produção diária de palavras em um gráfico
Henry Miller (1891–1980)

  • escrevia, trabalhando do café da manhã até o almoço. Tirava um cochilo e, em seguida, escrevia novamente durante a tarde e, às vezes, avançava pela noite. Quando foi envelhecendo, porém, descobriu que toda atividade realizada depois do meio-dia era desnecessária e até mesmo contraproducente.

F. Scott Fitzgerald (1896–1940)

  • acreditava que o álcool era essencial para seu processo de criação. (Ele preferia gim puro – o efeito era rápido e, segundo ele, difícil de ser percebido no hálito.)

William Faulkner (1897–1962)

  • “Escrevo quando o espírito me move”, Faulkner disse, “e o espírito me move todos os dias”.


 Continua...
  

02 fevereiro, 2021

[Lista] Hábitos de Vida

 


Capa 
Hábito 
Post 



1 - Do Descanso

 


2 - Da Insatisfação 



3 - Da Ignorância Planejada




4 - Da (Falsa) Segurança


5 - Da Tentativa Superior


6 - Da Verdade Pessoal


7 - Da Vida Low Profile


8 - Do Silêncio


9 - Do Estudo


10 - Do Isolamento


11 - Da Vida Complexa


______________________________

09 dezembro, 2020

[Mente] O Hábito do Descanso

The Procuress (Vermeer)


Introdução 


Quilometragem de puta se refere ao número máximo de trepadas com estranhos que uma prostituta pode oferecer antes de perder sua sanidade. De acordo com Iceberg Slim, um bom cafetão pode medir a quilometragem de um meretriz desde a primeira vista.
Esse é o conceito-base do post de hoje.

Quilometragem Masculina 


De certo modo, todos vendemos uma parte do corpo pra sobreviver em uma sociedade caótica e paradoxal até chegarmos ao fim igualmente sem sentido e, em muitos, casos deplorável.

Isso não é animador e normalmente escolhemos nem pensar nisso.

De qualquer forma, acredito que há um número limitado de merdas que a vida pode aprontar com a gente antes de um colapso mental. Normalmente

Minha Experiência


No ano em que minha mãe morreu meu casamento quase acabou. Minha cabeça ficou muuuito zoada.
No ano em que meu irmão morreu, tive uma apendicite enquanto minha carga no trabalho batia picos de stress. Uma bosta.

Em ambos os casos, tive sorte de poder tirar férias e licenças médicas em razão desses ocorridos pra poder me recuperar.

Mundo Quase Ideal  


Nesse mundo poderíamos tirar meses ou anos sabáticos, ficar alguns meses na praia ou em outro lugar em contato com a natureza (cantos de pássaros, mosquitos etc) ou ficar meditando em algum retiro espiritual.

Isso não existe, para a maioria.

A opção é cuidar da alimentação, fazer exercícios, dormir bem, se divertir, meditar, cultivar uma fé positiva, fazendo algum tipo de detox no final de semana de toda a bosta em que estamos afundados até o pescoço nessa coisa chamada civilização. Seja criativo.
Uma amiga contou-me que teve um namorado que toda vez que tinha um aborrecimento na vida tirava algumas horas para uma soneca. Eis uma forma natural de se lidar com o stress.

Conclusão


Preserve sua energia vital pelo descanso (diversão também é descanso).

Não hesite em descansar assim que puder.

No dia seguinte, a vida pode vir com tudo pra cima de você novamente.

Grande abraço!


_____________________________________________________________

23 novembro, 2020

O Hábito de se Isolar

 

pexels


Introdução 


Nenhum homem é uma ilha e precisamos de relacionamentos para sermos felizes e produtivos. Não conheço ninguém que sem amigos, mulher ou família tenha sido feliz (putas não contam).

Todo homem tem que se dar o direito ao solitário ócio criativo e você tem que ser sua melhor companhia nesse momento, com ou sem meditação. 

A agressividade natural masculina (será a testosterona?) precisa ser aplicada em atividades construtivas para render frutos, mas: sem descanso, sem energia. Nossa mente é limitada

Sem algum isolamento não se consegue pensar direito, pois o ruído em geral:  mulher falando, televisão alta, vizinho gritando, cachorro latindo, motor chiando, liquidificador etc), ele atrapalha o foco ou relaxamento a depender do momento (abafadores ajudam, música clássica também, mas nada se compara ao normal silêncio noturno).


A Caverna Masculina


Nem todo mundo tem o luxo de ter um cômodo em casa só para si e há aqueles que só podem ficar sozinhos dentro de um carro em uma garagem ( ou um iate para os mais abastados).

De qualquer forma, sem se afastar física e temporariamente da vida que se leva (ou dos problemas que o assolam), dificilmente alguém obterá o distanciamento necessário para ver a si mesmo ou outros com a clareza e lucidez necessárias. 

Ou melhor: ficar de boa, sozinho, aproveitando o momento e a vida, ainda que seja para tocar uma bronha ou pensar em amores perdidos.

No meu apezinho, tenho um quarto apertado que serve para muitos fins (home-office + local de estudo + biblioteca + micro academia + depósito de minhas quinquilharias). A decoração dele é simples, mas como foi feita com meus recursos financeiros e intelectuais, tenho prazer só de olhar para ele e basta adentrá-lo que já sinto melhor: acalma minha alma.

Conclusão


Enfim, alheio a tudo e a todos, menos a si mesmo, o homem pode recobrar parte da sanidade que o ambiente social lhe rouba. É a hora de "desfragmentar o hard disk cerebral" na paz da solidão. 


Lembre-se: 


"Todos os problemas do homem vêm de uma coisa só: ele não consegue passar um bom tempo sozinho, em silêncio, repousando dentro de um quarto." (Blaise Pascal)


Afinal, cada dia é um desafio e é preciso estar preparado para ele. 

Grande abraço!

______________________________________________________________

Sites Consultados:


  • http://randsinrepose.com/archives/a-nerd-in-a-cave/
  • http://www.livrosepessoas.com/tag/biblioteca-roberto-campos/
  • https://brasil.elpais.com/brasil/2015/01/29/ciencia/1422546931_773159.html
  • http://avgn.wikia.com/wiki/The_Nerd_Room
  • https://adrenaline.uol.com.br/forum/threads/foto-do-seu-cantinho-1920x1080-usar-apenas-jpg.561517/page-358
  • http://www.hardmob.com.br/boteco-hardmob/308056-oficialmob-cantinhomob-poste-foto-do-cantinho-40.html
  • https://www.htforum.com/forum/forums/galeria-dos-membros-do-forum.28/
Foto: Nerd Room


03 novembro, 2020

O Hábito de se Vestir Bem

 

pexels




Introdução



Não tinha a menor noção de como é a melhor maneira de vestir.

  • Não que eu me vista bem no dia-a-dia. Entenda: moro no Hell de Janeiro e se vestir acima da média aqui pode gerar desde assédio de vizinhos invejosos a assalto de meliantes andrajosos. Prefiro me misturar à multidão, mas creio que todo homem deve ter uma noção decente de moda masculina.

O curso código estilo, que pode ser adquirido no site oficial, ensinou-me os detalhes mais importantes no vestuário e que não geram necessariamente um custo financeiro maior.


Por que se vestir bem?

  • Motivo 1 – Você se sentirá mais confiante
  • Motivo 2 – Você irá atrair os olhares das mulheres
  • Motivo 3 – Você pode encontrar seus clientes na rua

Acho que a  principal dica é sobre o caimento da roupa, ou seja, como ela se adapta ao formato de cada corpo (é óbvio que quanto mais magro e musculosos você estiver, melhor a roupa poderá se ajustar ao seu corpo - o básico continua sendo buscar manter um corpo forte).

Outros temas são abordados pelo curso, como tipos de corpo, construção do guarda-roupa, estilo, cores e sapatos, mas o post ficaria longo demais para abranger todos.


Recomendações


1 - Ideias Básicas

  • Sinta-se confortável no que estiver vestindo. Suas roupas, calçados e acessórios devem PARECER limpos sempre
  • Esteja confiante no que você veste.
  • Preço e valor são coisas diferentes, faça escolhas conscientes.
  • Vista-se de acordo com o seu corpo, eventos, clima e sua personalidade.
  • Tenha um alfaiate/costureira de confiança.
  • Tenha um barbeiro (ou cabeleireiro) de confiança.
  • Cuidado com a manutenção das roupas. Não lave desnecessariamente as roupas. Uma camisa dura em média 1000 ciclos, ela é considerada nova nos primeiros 100. O mesmo vale para outras roupas. Calças jeans podem ser usadas por quase 6 meses sem passar pela máquina.
  • Tudo tem o seu lugar (guarda-roupa ou closet).
  • Custo X Durabilidade: Saiba quanto realmente vale a sua roupa. Marcas não importam tanto assim. Saber se vestir e ter uma roupa que fica certa no seu corpo com um estilo legal vale muito mais do que roupas de marca.
  • Versatilidade e conforto são tão importantes quanto o estilo.
  • Pré-defina os detalhes.
  • Elogie livremente, mas reserve os conselhos de estilo para quando forem solicitados.
  • Desapegue daquilo que você não usa mais.



2 - Caimento




A ideia: as roupas devem seguir a proporção do corpo e, 
quanto mais proporcional seu corpo for, melhor.

Em amarelo o caimento ideal: nos ombros, no traseiro e com os botões fechados.


Clique para ampliar.

Imagem: vivaglammagazine.com





Exemplo Prático


Podemos perceber que pequenos ajustes fazem diferença, independente do preço da roupa.
Imagem: vivaglammagazine.com

3 - Cores



No começo opte sempre por cores mais neutras e que não vão chamar tanta atenção para a sua roupa. Quando você possuir uma boa quantidade de roupas neutras, aí sim você pode começar a optar por cores mais chamativas.


Cores como:
  • Branco
  • Azul Marinho
  • Azul Claro
  • Tons Cinza
  • Tons de bege
  • Cáqui
  • Marrom


4 - Camisas 


Camisas em ordem de decrescente de formalidade:

  • Social Branca
  • Social Azul clara
  • Social Azul marinho
  • Social Preta
  • Social Xadrez
  • Camisa estampada
  • Jeans
  • Polo lisa
  • Camiseta gola em V
  • Camisa henley
  • Regata


5 - Meias

Meia branca apenas para ir na academia.


Se estiver de bermuda e não estiver indo para a academia, não use meias ou use meias invisíveis (meias não aparentes).

Se você quer simplificar o uso de meias, então:
  • Use meias cinza para calçados claros;
  • Use meia preta para calçados escuros;
  • Use meias brancas somente para prática de esportes.

Na dúvida, use meia cinza.

7 - Sapatos


Esqueça os sapatênis.

Use tênis (apenas para a academia) ou sapatos normais de couro com sola de tamanho decente (para todas as demais ocasiões sociais).


8 - Guarda Roupa Atemporal Básico


8.1 - Versão Mestre Burguês Inglório


  • 1 casaco para neve
  • 1 casaco de couro
  • 2 moletons com capuz
  • 5 camisas brancas
  • 2 camisas azuis
  • 10 camisetas
  • 3 calças jeans
  • 1 calça caqui
  • 1 calça azul marinho
  • 1 calça preta
  • 2 vilebrequin
  • 1 tênis casual
  • 1 tênis de corrida
  • 2 sapatos de couro
  • 1 terno sob medida,


8.2 - Versão Código Estilo

  • 3 camisas sociais (1 branca, 1 azul clara, 1 azul marinho)
  • 1 jeans escuro (bom caimento, justo nas pernas, corte clássico, cintura média, sem pré-lavagem e sem rasgos, estilo levis 501)
  • 1 calça caqui ou "chino" neutra (algodão puro)
  • 1 calça de lã fina (cinza)
  • 1 blazer cinza, azul marinho ou preto
  • 1 terno azul marinho
  • 1 casaco cashmere de lã fina (suéter)
  • 1 casaco simples e bem ajustado (ex.: casaco de couro ou blazer de malha).

Conclusão



Conforme explica Paul Valéry: elegância é a arte de não se fazer notar, aliada ao cuidado sutil de se deixar distinguir.

Pague pela qualidade e compre menos - compre e use apenas boas e poucas roupas.


Recomendo acompanhar o site e o instagram de Alberto Solon para boas ideias: ele é o cara. 

Grande abraço!

________________________________________________________________




Sites Consultados:
  • http://www.oscarsobmedida.com.br/ 
  • http://codigoestilo.com.br/ 
  • https://posturadehomem.com/codigo-estilo-curso-de-moda-masculina-online/ 
  • http://albertosolon.com.br/tamanho-e-caimento-de-roupas/ 
  • http://www.sociedademodamasculina.com.br/dicas-rapidas/caimento-das-roupas/ 
  • http://vivaglammagazine.com/fashion-quick-tip-men-s/ 
  • http://www.canalmasculino.com.br/um-pouco-sobre-anatomia-proporcoes-e-caimento-de-roupas/ 
  • http://albertosolon.com.br/11-habitos-de-estilo/ 
  • https://www.artofmanliness.com/2017/11/15/affordable-alternatives-classic-luxury-watches/ 
  • https://www.artofmanliness.com/category/dress-grooming/ 
  • http://albertosolon.com.br/6-motivos-estar-sempre-bem-vestido/
  • http://albertosolon.com.br/pecas-essenciais-guarda-roupa-masculino/
  • http://albertosolon.com.br/formalidade-camisas-masculinas/
  • http://albertosolon.com.br/como-usar-meias-masculinas/
  • http://www.blogdoburgues.com/2016/10/o-guia-do-aportador-roupas.html