Mostrando postagens com marcador 2016. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 2016. Mostrar todas as postagens

14 outubro, 2021

Como enrolar eficazmente um cabo de carregamento

 

link

01 março, 2021

[Livro] Nutrição e Individualidade (2016)/Rodolfo Peres

 


Não vou resumir o livro, pois tem a questão dos direitos autorais.

Por outro lado, valeu cada centavo, pois explica de forma direta e sem enrolação muitos conceitos essenciais para o leigo e tem várias combinações e dicas de suplementação sem hormônios que achei bem interessante.

Ainda que alguém possa criticar dizendo que poderia encontrar a informações em sites, dificilmente você conseguiria um texto fluído no formato confortável de um livro físico.

Recomendo para praticantes iniciantes ou intermediários de qualquer esporte, principalmente na musculação.

Grande abraço!

________________________________________________


03 novembro, 2020

O Hábito de se Vestir Bem

 

pexels




Introdução



Não tinha a menor noção de como é a melhor maneira de vestir.

  • Não que eu me vista bem no dia-a-dia. Entenda: moro no Hell de Janeiro e se vestir acima da média aqui pode gerar desde assédio de vizinhos invejosos a assalto de meliantes andrajosos. Prefiro me misturar à multidão, mas creio que todo homem deve ter uma noção decente de moda masculina.

O curso código estilo, que pode ser adquirido no site oficial, ensinou-me os detalhes mais importantes no vestuário e que não geram necessariamente um custo financeiro maior.


Por que se vestir bem?

  • Motivo 1 – Você se sentirá mais confiante
  • Motivo 2 – Você irá atrair os olhares das mulheres
  • Motivo 3 – Você pode encontrar seus clientes na rua

Acho que a  principal dica é sobre o caimento da roupa, ou seja, como ela se adapta ao formato de cada corpo (é óbvio que quanto mais magro e musculosos você estiver, melhor a roupa poderá se ajustar ao seu corpo - o básico continua sendo buscar manter um corpo forte).

Outros temas são abordados pelo curso, como tipos de corpo, construção do guarda-roupa, estilo, cores e sapatos, mas o post ficaria longo demais para abranger todos.


Recomendações


1 - Ideias Básicas

  • Sinta-se confortável no que estiver vestindo. Suas roupas, calçados e acessórios devem PARECER limpos sempre
  • Esteja confiante no que você veste.
  • Preço e valor são coisas diferentes, faça escolhas conscientes.
  • Vista-se de acordo com o seu corpo, eventos, clima e sua personalidade.
  • Tenha um alfaiate/costureira de confiança.
  • Tenha um barbeiro (ou cabeleireiro) de confiança.
  • Cuidado com a manutenção das roupas. Não lave desnecessariamente as roupas. Uma camisa dura em média 1000 ciclos, ela é considerada nova nos primeiros 100. O mesmo vale para outras roupas. Calças jeans podem ser usadas por quase 6 meses sem passar pela máquina.
  • Tudo tem o seu lugar (guarda-roupa ou closet).
  • Custo X Durabilidade: Saiba quanto realmente vale a sua roupa. Marcas não importam tanto assim. Saber se vestir e ter uma roupa que fica certa no seu corpo com um estilo legal vale muito mais do que roupas de marca.
  • Versatilidade e conforto são tão importantes quanto o estilo.
  • Pré-defina os detalhes.
  • Elogie livremente, mas reserve os conselhos de estilo para quando forem solicitados.
  • Desapegue daquilo que você não usa mais.



2 - Caimento




A ideia: as roupas devem seguir a proporção do corpo e, 
quanto mais proporcional seu corpo for, melhor.

Em amarelo o caimento ideal: nos ombros, no traseiro e com os botões fechados.


Clique para ampliar.

Imagem: vivaglammagazine.com





Exemplo Prático


Podemos perceber que pequenos ajustes fazem diferença, independente do preço da roupa.
Imagem: vivaglammagazine.com

3 - Cores



No começo opte sempre por cores mais neutras e que não vão chamar tanta atenção para a sua roupa. Quando você possuir uma boa quantidade de roupas neutras, aí sim você pode começar a optar por cores mais chamativas.


Cores como:
  • Branco
  • Azul Marinho
  • Azul Claro
  • Tons Cinza
  • Tons de bege
  • Cáqui
  • Marrom


4 - Camisas 


Camisas em ordem de decrescente de formalidade:

  • Social Branca
  • Social Azul clara
  • Social Azul marinho
  • Social Preta
  • Social Xadrez
  • Camisa estampada
  • Jeans
  • Polo lisa
  • Camiseta gola em V
  • Camisa henley
  • Regata


5 - Meias

Meia branca apenas para ir na academia.


Se estiver de bermuda e não estiver indo para a academia, não use meias ou use meias invisíveis (meias não aparentes).

Se você quer simplificar o uso de meias, então:
  • Use meias cinza para calçados claros;
  • Use meia preta para calçados escuros;
  • Use meias brancas somente para prática de esportes.

Na dúvida, use meia cinza.

7 - Sapatos


Esqueça os sapatênis.

Use tênis (apenas para a academia) ou sapatos normais de couro com sola de tamanho decente (para todas as demais ocasiões sociais).


8 - Guarda Roupa Atemporal Básico


8.1 - Versão Mestre Burguês Inglório


  • 1 casaco para neve
  • 1 casaco de couro
  • 2 moletons com capuz
  • 5 camisas brancas
  • 2 camisas azuis
  • 10 camisetas
  • 3 calças jeans
  • 1 calça caqui
  • 1 calça azul marinho
  • 1 calça preta
  • 2 vilebrequin
  • 1 tênis casual
  • 1 tênis de corrida
  • 2 sapatos de couro
  • 1 terno sob medida,


8.2 - Versão Código Estilo

  • 3 camisas sociais (1 branca, 1 azul clara, 1 azul marinho)
  • 1 jeans escuro (bom caimento, justo nas pernas, corte clássico, cintura média, sem pré-lavagem e sem rasgos, estilo levis 501)
  • 1 calça caqui ou "chino" neutra (algodão puro)
  • 1 calça de lã fina (cinza)
  • 1 blazer cinza, azul marinho ou preto
  • 1 terno azul marinho
  • 1 casaco cashmere de lã fina (suéter)
  • 1 casaco simples e bem ajustado (ex.: casaco de couro ou blazer de malha).

Conclusão



Conforme explica Paul Valéry: elegância é a arte de não se fazer notar, aliada ao cuidado sutil de se deixar distinguir.

Pague pela qualidade e compre menos - compre e use apenas boas e poucas roupas.


Recomendo acompanhar o site e o instagram de Alberto Solon para boas ideias: ele é o cara. 

Grande abraço!

________________________________________________________________




Sites Consultados:
  • http://www.oscarsobmedida.com.br/ 
  • http://codigoestilo.com.br/ 
  • https://posturadehomem.com/codigo-estilo-curso-de-moda-masculina-online/ 
  • http://albertosolon.com.br/tamanho-e-caimento-de-roupas/ 
  • http://www.sociedademodamasculina.com.br/dicas-rapidas/caimento-das-roupas/ 
  • http://vivaglammagazine.com/fashion-quick-tip-men-s/ 
  • http://www.canalmasculino.com.br/um-pouco-sobre-anatomia-proporcoes-e-caimento-de-roupas/ 
  • http://albertosolon.com.br/11-habitos-de-estilo/ 
  • https://www.artofmanliness.com/2017/11/15/affordable-alternatives-classic-luxury-watches/ 
  • https://www.artofmanliness.com/category/dress-grooming/ 
  • http://albertosolon.com.br/6-motivos-estar-sempre-bem-vestido/
  • http://albertosolon.com.br/pecas-essenciais-guarda-roupa-masculino/
  • http://albertosolon.com.br/formalidade-camisas-masculinas/
  • http://albertosolon.com.br/como-usar-meias-masculinas/
  • http://www.blogdoburgues.com/2016/10/o-guia-do-aportador-roupas.html

10 outubro, 2020

[Doc] Privacidade Hackeada (2016)



  • “se você não está pagando para usar, é porque você é o produto”.

O documentário traça levanta a tese de que a empresa Cambridge Analytica teria usado comprados dados de milhões de usuários do Facebook para influenciar as eleições americanas de 2016 (Trump), os resultados do plebiscito sobre o Brexit, eleições em Trinidade e Tobago e o genocídio rohingya em Mianmar, em 2016

Cambridge Analytica utilizaria um sistema algorítmico baseados em 5 mil pontos de análise que permitiria o mapeamento da personalidade de usuários influenciáveis quanto a escolha do voto em eleições.
De posse desse dados, a empresa direcionaria milhões de propagandas individualmente personalizadas com a finalidade de convencer o usuário influenciável a votar no candidato que a contratou.

Basicamente, eles conseguem fazer na política, o que os esteroides fazem nos esportes, ao conseguir uma pequena, mas substancial vantagem que a levará à vitória.

“Dados podem ser usados como armas”. Segundo o documentário, a técnica teria se originado em experimentos científicos na área da psicologia e, no passado, usada em situações de guerra com a finalidade de convencer populações a não apoiar grupos terroristas.

O segredo industrial da Cambridge Analytica estaria em ter refinado esse método, adaptado as redes sociais de países ricos como EUA e Inglaterra, depois de várias sucessos em manipular parte da opinião pública em países pobres.

Nesse Black Mirror da vida real, critica-se o método utilizado, pois ele colocaria em risco a sobrevivência das democracias e a manutenção da soberania das nações, pois os usuários não têm consciência de que seus dados foram vendidos por redes sociais e são utilizados para selecionar indivíduos com maior facilidade de manipulação.

Enfim, hoje dados valem mais que petróleo.

Recomendo.

Grande abraço!

P.s.: vi no Netflix e o Brasil também é mencionado.

______________________________________________

24 setembro, 2020

[Livro] Idade Média: O que não nos ensinaram (2016)/ Régine Pernoud



Introdução 


Nesse livro a principal mensagem é: a beleza e inteligência das obras e costumes medievais são ignorados pela elite acadêmica e essa ignorância contamina a opinião pública. 

Dessa forma, o senso comum acaba desconhece os avanços e conquistas que um período de cerca de 1000 anos proporcionou à raça humana:
Idade Média significa sempre: época de ignorância, de brutalidade, de subdesenvolvimento generalizado, embora seja a única época de subdesenvolvimento durante a qual construíram-se catedrais! Isto porque as pesquisas eruditas feitas nos cento e cinquenta anos, ou mais, em seu conjunto, ainda não atingiram o grande público.


Informações Úteis




Nas letras, como nas artes — para adotar as classificações vigentes — não deixou a Idade Média de se inspirar na Antiguidade, sem, no entanto, considerar suas obras como arquétipos, como modelos. Foi no século XVI que se impôs, neste domínio, a lei da imitação.

Mil anos sem produção poética ou literária digna desse nome, é concebível? Mil anos vividos pelo homem sem que se tenha exprimido nada de belo, de profundo, de grande, sobre ele mesmo? Quem acreditaria nisto? No entanto, fizemos acreditar nisso pessoas muito inteligentes que somos nós mesmos, os franceses, e isso por quase quatrocentos anos. 

Nunca se compreenderá o que foi essa sociedade se lhe desconhecemos o costume, isto é, este conjunto de usos nascidos de fatos concretos e retirando sua autoridade do tempo que os consagra; sua dinâmica é a da tradição: um dado, mas um dado vivo, não estagnado, sempre passível de evolução sem nunca ser submetido a uma vontade particular.

É evidente que sempre houve indivíduos que tentaram pular as barreiras que o grupo ou a sociedade lhes impunham, mas estes envolviam-se em infrações, como atualmente os delinquentes; e se não existe poder público para sancionar os contraventores, estes são rejeitados pelo grupo, o que dá no mesmo, sobretudo em tempos difíceis para quem vive isolado.

A sociedade feudal é uma sociedade de tendências comunitárias, embora regidas por compromissos pessoais, e também essencialmente ligada à terra, rural. Fomos a tal ponto dominados por formas de supremacia urbana que admitimos como axioma que a civilização vem da cidade.

A difusão da cultura é hoje facilitada; pode-se criticar o nível em que é feita, mas os monopólios já deixaram de existir e, contrariamente ao que se poderia temer, o rádio e a televisão provocam um pouco, em todos os lugares, atividades locais: música, dança, teatro se desenvolvem de maneira inesperada até em regiões que chamamos “muito distantes” e passam a ser domínio comum, acessível a todos. Este imenso progresso é quase mundial e, em toda parte, é acompanhado de tentativas, estritamente locais, de reencontrar as fontes da cultura original, do torrão natal, da aldeia, da região, durante tanto tempo desconhecidas, durante tanto tempo desprezadas, mas que, em resumo, esperavam uma oportunidade de ressurgir.

Se nos distrairmos, como o fizemos, passando os olhos em manuais da escola secundária, constata-se que em nenhum deles é assinalado o desaparecimento progressivo da escravidão, a partir do século IV Eles lembram a servidão medieval em termos muito severos, mas, por outro lado, silenciam sobre a volta, bastante paradoxal, no entanto, da escravidão no século XVI.

O servo medieval é uma pessoa, tratada como tal; seu senhor não tem sobre ele o direito de vida e de morte reconhecido pelo direito romano.

Na sociedade que vemos nascer nos séculos VI e VII, a vida se organiza em torno do solo que alimenta e o servo é aquele de quem se exige estabilidade: deve morar na propriedade; é obrigado a cultivá-la, a cavar, revirar, semear, e também colher; porque, embora lhe seja proibido deixar a terra, ele sabe que terá sua parte da colheita. Em outros termos, o senhor da propriedade não pode expulsá-lo, do mesmo modo que o servo não pode “escapar”. É esta ligação íntima do homem e do solo em que ele vive e que constitui a servidão, porque, apesar dela, o servo tem todos os direitos do homem livre: pode casar, fundar família, sua terra passará a seus filhos depois de sua morte, assim como os bens que ele possa adquirir. O senhor, frisemos, tem as mesmas obrigações do servo, embora em escala evidentemente diferente, pois não pode vender, nem alienar, nem abandonar sua terra.

Todas as interdições, todos os castigos, todas as hecatombes parecem justificadas, em nossos tempos, para punir ou prevenir os desvios e erros quanto à linha política adotada pelos poderes em exercício. E na maior parte dos casos, não basta banir quem sucumbe à heresia política, importa convencer, por isto ocorrem as lavagens cerebrais e os internamentos intermináveis que esgotam no homem a capacidade de resistência interior.

Tudo o que se pode pedir a uma obra literária é que seja eco de uma mentalidade, não a descrição de uma realidade, ainda menos sua descrição exata.

A tabula rasa cartesiana é, talvez, a maior mentira filosófica de todos os tempos. Em todo caso, sua aplicação pesa sobremaneira forte sobre nossa época. A ideia de fazer tabula rasa, de “partir do zero” constitui sempre uma tentação sedutora. Mas precisamente é a empresa impossível: a não ser sob um prisma de total arbitrariedade, não se tomando em conta as realidades concretas. Porque tudo o que é vivo, é doável, transmissível. Jamais se parte da estaca zero.

É surpreendente que, toda vez em que foi concretizada a tentação de “partir do zero”, ela o foi solidificada pela morte, por múltiplas mortes e destruições, e isto em todos os domínios. Por haver querido fazer tabula rasa quantas vezes teremos destruído, estupidamente, o que teria podido ser o ponto de apoio, pedra de sustentação?

A história obriga ao respeito, um pouco como a Medicina ou a Educação; em resumo, tudo o que diz respeito ao Homem, sem o que nós teríamos transviado, se nos subtrairmos à exigência interna da disciplina adotada: deixa-se de ser historiador quando se negligencia ou quando se trunca um documento, como deixa-se de ser médico quando se despreza ou subestima o resultado de uma análise ou de um exame; ou como se deixa de ser educador quando se invade a personalidade de quem se está encarregado de ensinar.

Para o historiador, o progresso geral não causa a menor dúvida: mas não menos o fato de que não se trata jamais de progresso contínuo, uniforme, determinado. A Humanidade avança em certos pontos, recua em outros, isto tão facilmente quanto tal entusiasmo que causa um efeito de progresso em um determinado momento fará, em seguida, o efeito de uma regressão.

A peregrinação armada a que chamamos Cruzada era necessária e suficiente, quer se queira ou não — a solução necessária indispensável, no fim do século XI, para socorrer os Lugares Sagrados e o Oriente Próximo, em geral; mas já não era a mesma solução que se impunha, no começo do século XIII, e menos ainda no fim deste mesmo século XIII, e é espantoso constatar que nenhuma atenção foi concedida pelas potências de então a um Ramon Llull, que apontava a solução do presente, enquanto no Ocidente papas, imperadores e reis retomavam sem cessar as soluções do passado.

Negligenciando a formação do sentido histórico, esquecendo que a História é a Memória dos povos, o ensino forma desmemoriados. Reprova-se, às vezes, que nas escolas, nas universidades modernas, se formem irresponsáveis, valorizando o intelecto em detrimento da sensibilidade e do caráter. Mas é grave também se produzir desmemoriados. Tanto quanto o irresponsável, o desmemoriado não é pessoa completa; nem um, nem outro, desfrutam deste pleno exercício de suas faculdades, que é a única coisa que permite ao Homem, sem perigo para ele mesmo e para seus semelhantes, uma verdadeira liberdade.

Conclusão 


Um bom livro  rápido e curto, com um boa mensagem:

Quando se pensa no espantoso balanço, no desperdício insensato de vidas humanas — pior ainda que o das “duas grandes guerras”... — pelos quais se consolidaram as revoluções sucessivas e o castigo dos delitos de opinião em nosso século XX, pode-se perguntar se neste domínio de delito de opinião a noção de progresso não se encontra posta em xeque. Para o historiador do ano 3000, onde estará o fanatismo? Onde a opressão do homem pelo homem? No século XIII ou no século XX?

Grande abraço!

_______________________________________________________

29 agosto, 2020

[Livro] Doenças Autoimunes (2016)/Amy Myers - Parte 1

Photo by Miguel Á. Padriñán from Pexels


Suplementos para Todos


Suplemento

Suplemento
usado na
minha clínica
Marca
recomendada

Como
tomar

Outras opções

Probiótico*

Probiótico
completo, em
cápsulas ou pó


OU


Probiótico de
amplo espectro

Klaire/Prothera
(Ther-Biotic
Complete)



OU
Prescript-Assist
Prescript
Assist


1 cápsula
duas vezes
ao dia ou
¼ de colher
de chá por
dia


OU


1 cápsula
duas vezes
ao dia


50+ bilhões de
UI, 10+ cepas
de probióticos
(evite
probióticos que
se desenvolvam
em qualquer um
dos alimentos
que você deve
evitar, como
soja, laticínios e
trigo)


OU


1240 mg ao dia
de uma mistura
de probióticos
de solo

Ômega 3 –
Óleo de peixe

Ômega 3
completo em
cápsulas

Metagenics
(OmegaGenics
EPA-DHA 500)

1 a 4
cápsulas
duas vezes
ao dia

1000 a 4000 mg
de ômega 3
(EPA ou DHA)
ao dia

L-Glutamina

OU


Gut Repair (pó
de reparação
gastrointestinal)

L-Glutamina

OU


Pó de
reparação
gastrointestinal

Designs for
Health


OU

Xymogen
(GlutAloeMine)

4 cápsulas
duas vezes
ao dia


OU


1 copo de
medida ao
dia


3000 mg de L
Glutamina ao
dia


OU


Mistura de L
Glutamina,
alcaçuz
desglicerinizado
e Aloe vera

Acetilglutationa

OU


N
Acetilcisteína


+


Vitamina C

+


Suplemento de
apoio para o
fígado

Glutationa

OU


N
Acetilcisteína


+

Vitamina C
completa
+


Apoio para o
fígado

CitriSafe

OU

Designs for
Health
Xymogen
Klaire/ProThera
(HepatoThera
Forte)


1 a 2
cápsulas pela
manhã e à
tarde


OU


1 cápsula
duas vezes
ao dia de
estômago
vazio


2 cápsulas
duas vezes
ao dia


1 cápsula
duas vezes
ao dia de
estômago
vazio

600 a 1200 mg
de
acetilglutationa
ao dia


OU


1800 mg de N
acetilcisteína ao
dia


2000 mg de
vitamina C ao
dia


Mistura de
apoio para o
fígado,
incluindo: ácido
alfalipoico e
cardo-mariano

Vitamina D3

Vitamina D
1000 UI em
pastilhas

Pure
Encapsulations

2 gotas
embaixo da
língua ao dia

2000 UI de
vitamina D ao
dia


* Tome o probiótico pelo menos duas horas antes ou depois caso esteja tomando suplemento herbáceo para casos de parasitas/SIBD.