Arquivos

23 outubro, 2021

“On a Plate”/De Bandeja (2015)/ Toby Morris

 







__________________________________________________

11 comentários:

  1. Fantástico!

    Aqui no Brasil a Elite gosta de pregar a meritocracia e o discurso de que todos são capazes, bonito na teoria.

    O que a Elite gosta é de histórias como o do 'Zezinho que saiu de uma casinha humilde no meio do sertão de Pernambuco e virou cirurgião renomado', e passam a pregar que basta querer que ás coisas acontecem, quase como que se quem é pobre o fosse por preguiça.

    Agora quantos Zezinhos existem a cada milhar de jovem pobre desse país?

    Faça o mesmo exercício em um bairro como Alphaville e veja que o que é exceção entre os pobres é a regra entre a Elite.

    Lamentável.

    É fácil para o multimilionário, se a gasolina subiu de R$ 4,50 para R$ 6,50 ele mal sente no bolso o peso, agora vá olhar para o trabalhador que ganha 1,5 mil por mês.

    O pobre tá revirando lixo para encontrar comida e comprando ossos em supermercado. O rico tá preocupado em não conseguir passar as férias de janeiro em Londres porque tomou Coronavac.

    O que sinto pena é do pobre que apoia a pauta da Elite desse país. Esse é o perfeito 'idiota útil'.

    Abraços,
    Pi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O que sinto pena é do pobre que apoia a pauta da Elite desse país. Esse é o perfeito 'idiota útil'."

      essa é a pior parte
      se os pobres tivesses noção, "cortariam as gargantas dos ricos enquanto eles dormem", hehe

      abs!

      Excluir
  2. Eu concordo plenamente com a tirinha, mas o problema está em alguém achar que o mundo tem que ser justo ou que tem direito a ter oportunidades e uma vida fácil ou que cabe ao estado corrigir os as diferenças de oportunidades que cada um indivíduo teve.

    Eu sou totalmente a favor de que o estado invista em educação (não necessariamente em escolas públicas), que também tenha programas assistenciais para os mais pobres, principalmente em relação a alimentação básica e moradia social.
    O Brasil produz 20% da alimentação mundial, ninguém deveria passar fome no nosso país.

    Mas nem todas as diferenças podem ser corrigidas e cabe a cada um, dentro da sua realidade, correr atrás e tentar uma vida melhor. O erro está em achar que se pode de alguma forma proporcionar oportunidade iguais para todos através de leis e coerção social.
    Uma criança que cresce numa família estruturada de classe média terá sempre mais oportunidade que uma criada na periferia por mãe solteira. Ter acesso a uma educação de qualidade dará a ela de buscar uma vida melhor mais fácil do que estudando nas caóticas escolas públicas atuais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O Brasil produz 20% da alimentação mundial, ninguém deveria passar fome no nosso país." desperdício, corrupção, falta de logístico, ausencia de ferrovias etc...
      aqui é uma bagunça.

      Excluir
  3. Desconhecia este autor.

    Tirinha bacana e cheia de verdade, mas com lugares-comuns e sem visão da contraparte.

    A boa vida dos bem nascidos não invalida a meritocracia e muitas vezes a fortuna dos gastadores dedicados a uma vida de farras veio justamente do esforço de antepassados. Meu avô paterno foi miserável e caçava preá e tatu para comer. Meu pai é rico (passou fome e começou a trabalhar com onze anos de idade). Se amanhã ou me tornar um bom vivant graças a sua grana (acho difícil que me sobre algo, no entanto), nada mais justo que eu torre irresponsavelmente a grana fruto do esforço de meu pai, que ralou como um condenado e rala estupidamente ainda hoje, sem pode desfrutar de sua própria grana com lazer. Quem quiser acumular riquezas, sucesso. Os herdeiros agradecem.

    Infelizmente, abobrinhas do gênero sempre levam as pessoas a pensar que as elites espalham o discurso da meritocracia para manter pobre conformado. Ledo engano. As elites patrocinam toda a merda progressivista contrária à meritocracia, promovendo o agigantamento estatal, apoiando maiores impostos para corrigir as injustiças sociais e tantas outras práticas similares.

    Qualquer pessoa que sair do velho discurso batido “luta de classes, operário etc.”, saberá que quem mais se opõe a conceitos de meritocracia são justamente as maiores fortunas. Rico gosta de Estado gordo, burocracia pesada e fomento a discurso enganoso.

    As "elites" apoiam o pensamento de que meritocracia não existe. E só quem pode corrigir tais falhas do tecido social é o Poder Público. Aquelas, cada vez mais amigas do Estado.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Quem quiser acumular riquezas, sucesso. Os herdeiros agradecem."

      realmente, vão gastar tudo cheirando pó

      sempre lembro de jorginho guinle

      abs!

      Excluir
  4. Só li verdades nos quadrinhos, porém, tinha um colega de sala na escola pública que era de família com mais recursos. O sujeito não queria saber de estudar na escola particular que veio e os pais colocaram ele na escola estadual para "dar um susto".

    O sujeito só queria saber de jogar bola, ir atrás das meninas e fumar maconha. Tinha dificuldade de acompanhar até em escola estadual.

    Entrou nas drogas, não fez faculdade, fazia bico de motoboy. Foi encontrado morto num matagal mês retrasado.

    Td isso que está nos quadrinho é pura verdade. Só que qtos filhos de ricos que vc conhece q são uns merdas q só vão gastar o dinheiro acumulado dos pais?

    Novamente, td verdade só que aqui no trabalho entrou um ajudante novo, é o primeiro emprego de carteira assinada do moleque.
    Primeiro salário e já tirou um celular novo de 4 mil reais e um Mizuno colorido de 800 contos td no credito, ganha 1 e 100.

    Chegou triste e revoltado um dia, estava esperando no ponto de onibus, dois malucos numa moto chegaram e levaram celular novo, carteira e corrente de prata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resumindo: a coisa é mais complexa e além do lugar "filho de rico" e "filho de pobre".

      Excluir
    2. "Entrou nas drogas, não fez faculdade, fazia bico de motoboy. Foi encontrado morto num matagal mês retrasado.
      " ouvi estórias semelhantes de gente de classe média baixa (sou originalmente classe média baixa). conheci até um ou outro drogado na juventude, mas a maioria que pude acompanhar continuou classe média ou melhorou mais ainda e vida

      drogados doidões, em todas as classes, pra mim são exceções

      abs!

      Excluir

Memento mori...carpe diem!