28 agosto, 2021

Não Pense Diferente de seu Chefe ou Colegas

 

Foto de Andrea Piacquadio no Pexels
"Seu chefe pensando para qual latrina vai te transferir."


Introdução


Jotabê 28/08/2021 21:12

"Meu filho disse uma vez que à medida que envelhecemos o superego fica mais relaxado. Talvez seja essa explicação de cada vez mais ter dificuldade para manter a boca fechada. Isso foi particularmente prejudicial no meu último emprego, engenheiro de empresa pública. Eu tinha acabado de ser admitido (concurso) quando em uma reunião critiquei a necessidade de viajar longas distâncias apenas para sugerir a troca de um chuveiro queimado, um vidro quebrado, coisas assim.
O custo da das diárias e do transporte era muito superior à contratação centralizada dessas irrelevâncias. O gerente, entre irritado e sarcástico disse que "todo mundo quer acabar conosco. Não podemos nos recusar a atender esse tipo de solicitação". Fiquei puto com aquilo, mas não respondi na hora.
Depois, entretanto, comentei com um colega que se era para provar nossa utilidade, talvez devêssemos pegar também a limpeza dos sanitários. Coincidentemente, em menos de um mês fui transferido para outro setor. Então, a regra é a seguinte: você pode dizer tudo o que pensa, DESDE QUE sua cabeça seja igual à de seus superiores e/ou colegas."


Minha Experiência


Trabalhei um tempo em um judiciário federal que tinha a seguinte regra não escrita: "funcionário problemático pode ser imediatamente transferido para qualquer lugar". 

Eu mesmo, quando comecei a "dar problema", fui lotado em um órgão obscuro, mas isso foi acabou sendo minha sorte: 

Eu vinha de outro órgão em que os servidores tinham que bater metas de produtividade para que o órgão em que estávamos lotados aparecesse em uma boa colocação em um ranking. Todo dia, tínhamos que analisar "x" processos para bater essa meta. O problema é que quando se batia a tal meta, aparecia uma nova meta surpresa com novos "x" processos. Dessa forma a recompensa do trabalho era...mais trabalho.

Um dia, percebi que trabalhar nessa correria não fazia sentido e que valia menos que a função gratificada ($$) que eu recebia. Comecei a fazer pedido de transferência para vários órgãos ao mesmo tempo (na prática era colocar meu nome numa lista e esperar a boa vontade de alguém para trocar de órgão). Claro que meu chefe percebeu, nossa relação se deteriorou e fui parar em um órgão obscuro. 

 Minha "sorte" na época é que eu já estava tão mal lotado (lugar longe de casa  - pegava vários ônibus e perigoso - tinha cadáver na rua em alguns dias e tiroteio na volta de casa em outros) que qualquer outra lotação tinha um grande risco de ser melhor. E foi o que aconteceu.


Conclusão 


Caso não queira se defenestrado no trabalho, Não Pense Diferente de seu Chefe ou Colegas (X9).

Cuidado inclusive com a linguagem facial/corporal, pois psicopatas podem sentir o cheiro de medo em seu suor.

Grande abraço!

_____________________________________________

20 comentários:

  1. Fala, Scant.

    Cara, isso poderia ser título de um livro do Dilbert!

    Pensar, pensamos. Mas é melhor não externalizar tanto. Ou melhor: jamais. A não ser quando consultados, claro.

    Vi algo parecido com o narrado pelo JB. Recebemos água mineral em galões. Um caminhão do tribunal faz o transporte com dois agentes (segurança e transporte). Os caras rodam milhares de km no Estado entregando água. Então indaguei: pq não instalam sistemas de filtragem? Um dos "entregadores federais" foi bem sincero: "a diária é boa e a gente passeia". É muita estupidez administrativa.

    Felizmente, até hoje, não tive problema com chefias. Sempre boas relações. Ajudou o fato de que só piso no ambiente de trabalho para dar um "oi" aos amigos. Cheguei a passar um ano e meio sem pisar na Vara do Trabalho (e não estávamos em pandemia). Mantenho meu serviço em dia e ninguém sente minha falta. É muito bom não ser notado. Há uns oito anos deixaram de me convidar para reuniões, pq eu nunca ia mesmo. Mas tb sempre tive toda a liberdade para fazer as coisas de meu jeito. Por diversas vezes descumpri despachos (de forma justificada, certificando que, analisando a questão in loco, não servia aquela medida) e SEMPRE tive minha conduta endossada, mesmo com trocentos advogados chateados comigo.

    Em resumo: tive a sorte (até hoje) de conviver com pessoas aparentemente normais. E até humildes, que me consultam para perguntar se uma medida X ou Y dará certo, na minha experiência.

    Já tivemos um colega problemático, servidor ocupando direção. Psicopata até o último fio de cabelo. Vi brigas homéricas. Como ele não era meu chefe (não sou lotado em secretaria), não tive problemas. Mas evitei. Ele até tentou destilar sua loucura para mim. E foi até bom pq foi logo no início, ao que pude responder: "não tenha ideias para me foder". E isso nos deixou de boa.

    Venho escapando de doidos há anos e anos. Mas sei que um dia poderei trabalhar com algum. No âmbito geral, contudo, "a nível de" de Regional, vejo coisas assombrosas. Mas faço meu serviço corretamente (acho) e procuro e ficar no meu canto tranquilo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " título de um livro do Dilbert!" - Dilbert, mais atual que nunca

      "a diária é boa e a gente passeia" - já fiz trabalhos sem sentido apenas pela diária + pressão de colegas

      "convidar para reuniões, pq eu nunca ia mesmo." - reuniões são a melhor maneira de juntar pessoas improdutivas no mesmo ambiente


      "É muito bom não ser notado." acho q a melhor coisa mesmo é não aparecer no mapa

      abs!

      Excluir
    2. Dilbert é um clássico. O autor captou muito bem a essência do mundo corporativo. Tem vários dias em que eu me sinto vivendo numa tirinha do Dilbert...
      "É muito bom não ser notado." - assino embaixo.

      Excluir
  2. "tinha cadáver na rua em alguns dias e tiroteio na volta"

    É o inferno na Terra!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. baixada fluminense no RJ
      nesse lugar começa a extinção da humanidade, hehe

      Excluir
  3. Bom dia Scant! O que faço é fazer uma pergunta pra mim mesmo antes de falar: "Existe alguma chance do que vou dizer gerar alguma mudança benéfica nessa situação?" Se a resposta é sim, falo...se não, engulo a opinião e deixo pra lá... No início do trabalho tinha aquela ideia de mudar o mundo, fazer o meu setor fazer a diferença pra empresa, etc (ficava indignado quando um profissional fazia "corpo mole" no trabalho e realmente "vestia a camisa" da empresa). Hoje só quero não ser visto como mal profissional e que meu salario caia direitinho no dia estimado...Com o tempo vemos que não temos como mudar o ritmo da empresa e que o melhor é levar sua necessidade de satisfação para a vida pessoal e não profissional. Continuo trabalhando e levando a sério o trabalho, mas não faço horas extras, evito ao máximo viagens e não tenho interesse em "crescer na empresa". Uma coisa que aprendi no setor público é que uma pessoa com algum cargo é alguém que tem algo a perder e será "chantageado" para manter seu cargo...Assim, prefiro ficar peão mesmo pois aí ninguém vai vir me falar "você ganha pra isso..." (já ouvi coordenadores/gerentes ouvirem isso de superiores).
    Grande abraço!
    VVI- vvibr.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "É muito bom não ser notado." acho q a melhor coisa mesmo é não aparecer no mapa

      o engessamento do serviço público tornar tudo complicado. pior ainda quando se percebe que para mudar alguma coisa no mundo real só mudando uma lei estadual ou federal... aí virou piada

      pra quem não tem o dinamismo de um psicopata, o jeito é parecer invisível

      realmente complicado...

      abs!

      Excluir
  4. Ler o seu relato e o do Neófito me dão uma alegria gigantesca de, apesar de pressões familiares, nunca ter feito concurso. Recém-formado, minha mãe chegou a me inscrever em um e a Providência remarcou a data da prova para uma viagem inadiável que eu teria - reembolso da inscrição.
    No início de carreira eu não era muito combativo e não tive problemas, mas o AC dos 28 anos em diante teria arrumado treta com praticamente todos os parasitas. Tenho arrepio em ver alguém fazendo corpo mole ou utilizando soluções menos produtivas quando há clareza de outras mais.
    Admiro muito quando vejo servidores empenhados e que não se deixaram contaminar com o nivelamento por baixo, como parece ser o seu caso e do Neófito.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "como parece ser o seu caso " - meu cargo normalmente é tão facil que se eu fosse me nivelar por baixo só me fingindo de autista olhando para o teto

      "nunca ter feito concurso" - pela sua trajetória, foi muito bom mesmo. trabalhar em hospício é pra poucos, hehe

      "Tenho arrepio em ver alguém fazendo corpo mole ou utilizando soluções menos produtivas quando há clareza de outras mais." - na prática, muitas a solução menos produtiva existe por força de lei. sim, o brasil é lindo, hehe

      abs!

      Excluir
  5. Cara, eu trabalho com tanto psicopata onde estou atualmente que já até cogitei fazer concurso para ganhar um pouco menos, porém tendo mais tranquilidade, rs, abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "anhar um pouco menos, porém tendo mais tranquilidade, rs," - não há garantia. um dos lugares onde trabalhei e era cheio de gente maluca pagava bem e não tinha paz. melhorou muito quando troquei de lotação

      na dúvida, pesquise escolha órgaos tranquilos. alguns tem reputação de ser calmo, como ministério público militar, IBGE, mas talvez tudo seja uma questão de sorte de cai numa lotação com pessoas "normais" como colegas


      abs!

      Excluir
    2. Eu às vezes penso seriamente em, uma vez conquistado certo patamar de renda passiva com FIIs e dividendos de ações, fazer um concurso de nível primário ou médio para um órgão bem tranquilo, onde eu faça coisas mecânicas e possa sair assim que der o horário literalmente largando tudo como está.

      Excluir
    3. creio que é um projeto viável, principalmente em prefeituras de pequenas/médias cidades

      "onde eu faça coisas mecânicas e possa sair assim que der o horário literalmente largando tudo como está." isso acho que acontece na maioria dos órgãos publicos. a parte mais difícil é ter sorte de ter bons colegas/chefia

      Excluir
    4. Certamente não é a realidade das empresas, onde você é mal visto se sair no horário. O pior é que tem dias em que não faz diferença terminar determinada tarefa naquele dia ou no dia seguinte, mas você é meio que obrigado a ficar no trabalho só pro chefe não te marcar como "aquele cara que assim que dá o horário vai embora".

      Excluir
  6. Scant, vc cheira o saco do chefe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdão, Scant.
      Mas não deixa de ser divertido ver o Anon aqui animando o ambiente.

      Excluir
    2. sem problema, todo rei precisa de um bobo da corte (anon) :)

      Excluir
  7. Olá, Scant.

    Eu penso diferente da maioria dos colegas e chefes, mas quase não falo o que penso. Tem hora que dá vontade de mandar todo mundo se fuder, principalmente em reuniões.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. reuniões são sempre inúteis
      uma pena serem tão populares
      "em hora que dá vontade de mandar todo mundo se fuder" bem estressante, imagino
      pelo menos daqui a pouco vc se aposenta com a IF

      abs!

      Excluir

Memento mori...carpe diem!