31 maio, 2021

Relatório Maio (2021)

  

Foto de Mateusz Dach no Pexels

 Confira o relatório de maio de 2020


Carreira


  •  Estudo: seguindo regularmente
  • Leitura Livre: lendo quase todos os dias

  
foco!



Corpo



  •  Barras: centenas de movimentos
  • Paralelas: centenas
  • Abdominais: milhares
  • Cardio: fiz vários de 30-40 minutos ao ar livre esse mês, com foco em ladeiras
parei correr (para preservar as articulações)
e agora meu negócio é caminhar



Finanças

 
Soldado do Milhão
Não é o sistema que sigo, mas a ideia é bem interessante


  •  Completei minha reserva de emergência
  • comprei alguns ativos ( KNCR11, BBRC11)
  •  IR entregue
  • aguardando inventário...

 


  •  suportando a crise financeira do Covid
  • orçamento doméstico dentro do razoável (ativo X passivo ou dívidas/cartão de crédito) 

 

Hobbies

  •  Netflix + hambúrguer artesanal no FDS de boa
 

Mente 

  • lendo todos os dias, diferentes livros e ouvindo palestras pelo youtube. 
O melhor de todos


Organização 

básico e aguenta 350kg




  •  Academia caseira - comprei um banco reto (bem mais barato que um reclinável e serve para 80% dos exercícios que o reclinável te permite fazer) para minha academia caseira
Meu TOC aflorando
  • Cozinha/Lavanderia - organizando a cozinha e a lavanderia aos poucos (despensa, estoque, compra de organizadores específicos, colocação de etiquetas, tudo com a frescura que gosto
  • Backup - 2 hds meus quebraram e mês que vem começo a comprar novos hds (externos e internos) para preservar meus backups. Aproveitei e me livrei de outros hds jurássicos (padrão IDE) que nem sei porque ainda guardava.




Social 

se for pra comer essa moça,
 prefiro as putas...
  
  •  Fofoca do mês: um parente que ainda está na casa dos vinte quase morreu de diabetes porque comia lixo regularmente (coisa no nível de leite condensado, fast food e álcool) e achava que isso era nutrição bastante (pensava também que a juventude o tornaria imune à alimentação lixosa). Agora segue se tratando e gastando milhares de reais com o psicológico afetado...


  • Geral: de boa (trabalho, família etc)

mesmo de sempre...


Transcendência


  • a vida não tem sentido: o sentido é viver.
  • quando penso em seguir outra religião: bate uma preguiça de ir nos cultos... no Brasil poucas religiões/igrejas/denominações não se focam em dinheiro.  Meu ranking atual se fosse ter uma religião: 1 - Budismo; 2  - Catolicismo. Meu ranking para religião onde moro: 1- Catolicismo (não tem templo budista aqui no fim de mundo). Enfim, gosto mais de livros religiosos (teoria) do que da própria religião (prática).



    
__________________________________________________

:)

30 maio, 2021

[Corpo] TRX

 



Introdução 


TRX é a sigla de Total-body Resistance Exercise (que significa Exercício de Resistência do Corpo Inteiro) um aparelho usado para fazer treino em suspensão, e é também chamado de TRX Suspension Training, ou seja, treino suspenso. 

O aparelho permite um grande número de exercícios, com a progressão do próprio treino.


Minha experiência


Tenho usado durante minhas sessões de treino caseiro em combinação com outros tipos de exercícios e aparelhos.

Ainda que não possa atribuir isoladamente qualquer melhora corporal ao uso do aparelho, posso dizer que a variedade de exercícios torna o treino menos maçante e mais divertido, lúdico.

Obviamente, ele também contribui com a exaustão muscular quando somado a outros exercícios aplicados ao mesmo grupo muscular.


Custo


A versão genérica que comprei custa cerca de 100 reais no mercado livre.


Bibliografia

só folheei e parece bem prático


Conclusão


Pelo baixo custo e versatilidade, parece-me uma ótima opção para exercícios em casa.

Recomendo.

Grande abraço!

________________________________________________________________

29 maio, 2021

[Livro] Trabalho Focado (2018)/ Cal Newport - Parte I

 



Trabalho Focado: Atividades profissionais realizadas em um estado de concentração livre de distrações que levam suas capacidades cognitivas ao limite. Esse esforço cria novo valor, melhora suas habilidades e é difícil de replicar.

A Hipótese do Trabalho Focado: A capacidade de realizar trabalhos profundos está se tornando cada vez mais rara, ao mesmo tempo em que se torna cada vez mais valiosa em nossa economia. Consequentemente, os poucos que cultivam essa habilidade, e a transformam no centro de sua vida profissional, prosperam.

Quando Carl Jung quis revolucionar o campo da psiquiatria, construiu um retiro na floresta. A Torre de Bollingen de Jung tornou-se um lugar onde conseguia manter sua capacidade de pensar profundamente e aplicá-la à habilidade de produzir trabalhos de uma originalidade tão impressionante que transformou o mundo.

 

Trabalho Superficial: Tarefas que não são cognitivamente exigentes, de estilo logístico, muitas vezes realizadas com distração. Esses esforços não costumam agregar valor ao mundo e são fáceis de replicar.

  

A prática deliberada 

. Seus componentes principais são identificados da seguinte forma: 

(1) sua atenção está focada em uma habilidade específica que tenta melhorar ou uma ideia que tenta dominar; 

(2) você recebe feedback para que corrija sua abordagem para manter sua atenção onde é mais produtivo. 

O primeiro componente é de particular importância para nossa discussão, pois enfatiza que a prática deliberada não pode existir ao lado da distração e que, em vez disso, requer uma concentração ininterrupta.

 

Múltiplas tarefas simultaneamente 


tentar realizar múltiplas tarefas simultaneamente — sobre o desempenho, mas que no escritório moderno do trabalho de conhecimento, uma vez que se chega a um nível suficientemente alto, era mais comum encontrar pessoas trabalhando em múltiplos projetos sequencialmente: “Ir de uma reunião para outra, começar a trabalhar em um projeto e, logo depois, passar para outro é parte da vida nas organizações”, explica Leroy. O problema que a pesquisa identifica nessa estratégia de trabalho é que quando você muda da tarefa A para a tarefa B, sua atenção não é imediata — um resíduo de sua atenção permanece preso pensando na tarefa original. 

Esse resíduo engrossa se seu trabalho na tarefa A era ilimitado e de baixa intensidade antes da troca. Mas mesmo que conclua a tarefa A antes de seguir em frente, sua atenção permanece dividida por um tempo.

 

Produzir no seu nível máximo

para produzir no seu nível máximo, você precisa trabalhar por longos períodos com plena concentração e em uma única tarefa, sem distrações. Dito de outra forma, o tipo de trabalho que otimiza seu desempenho é um trabalho focado. Se não estiver confortável em aprofundar-se por longos períodos de tempo, será difícil elevar seu desempenho ao nível máximo de qualidade e quantidade, cada vez mais necessário para prosperar profissionalmente. A menos que seu talento e habilidade minimizem completamente os da concorrência, quem realiza trabalho focado produzirá mais que você.

 A complexa realidade das tecnologias que as empresas de verdade utilizam para manter-se à frente enfatiza o absurdo da ideia, que agora é comum, de que a exposição a produtos simplistas e voltados para o consumidor — especialmente nas escolas — de alguma forma prepara as pessoas para ter sucesso em uma economia de alta tecnologia. Dar iPads aos alunos ou permitir que filmem o dever de casa no YouTube prepara-os para uma economia de alta tecnologia tanto quanto brincar com Hot Wheels [um game] os prepararia para mecânica de automóveis. (N. A.)


Twitter

George Packer, capturou bem esse medo em um texto sobre por que não tuíta: “O Twitter é o crack dos viciados em mídia. Isso me assusta, não porque eu seja moralmente superior, mas porque acho que não daria conta. Tenho medo de acabar deixando meu filho interessado.


Princípio da Menor Resistência

O Princípio da Menor Resistência: Em um ambiente de negócios, sem um feedback claro sobre o impacto de vários comportamentos no resultado, tenderemos para os comportamentos mais fáceis no momento.


Leitura Mencionada





Os títulos subsequentes incluem BlackBerry de Hamlet, de William Powers, A Tirania do E-mail, de John Freeman, e O Vício da Distração, de Alex Soojung-Kim Pang — que concordam, mais ou menos, que as ferramentas de rede nos distraem do trabalho, que exige uma concentração ininterrupta, reduzindo, simultaneamente, nossa capacidade de manter o foco.


+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++ continua---------------------------

26 maio, 2021

[Seriado] House of Lies (2012-2016)

 


Introdução 


"Marty Kaan (Don Cheadle) é um bem-sucedido empresário que comanda uma empresa de consultoria. Para descobrir as informações de que seus clientes precisam, ele é capaz de qualquer coisa, até mesmo mentir e manipular quem estiver ao seu redor."

Cheguei a ver 3 das 5 temporadas.

O seriado alterna comédia e drama ao mostrar as mazelas do mundo corporativo, em especial o trabalho de firmas de consultoria. 

Claro que há um exagero, mas quando comecei a ler o livro "Desmascarando a Administração", passei a pensar que esse exagero fosse bem menor, para não dizer inexistente, no que se refere às consultorias de administração.


Frases


Maya: Uau!
Ellis: Qual é o seu problema?
Maya: Meu problema? Meu problema é que você é o mesmo idiota pomposo, desdenhoso e arrogante de sempre. Porque você diz essas coisas que deveriam ser profundas. Eles não significam absolutamente nada. "O futuro está chegando mais rápido do que qualquer um de nós poderia ter previsto." Foda-se!

---


Jeannie: Aquele é Ellis Hightower, o cara dos carros elétricos?
Marty: Sim, é.
Jeannie: Merda ... O que tenho que fazer para entrar aqui?
Marty: Cometa um crime. Faça crescer um pênis. Espere um minuto. Acho que você já fez um desses.
Jeannie: Bem, vou trabalhar nesse pênis.

---

Ouça, essa não é realmente minha área de especialização. Existem consultores jurídicos, mas eles têm que fazer um trabalho real. (Marty)

Links






  • Livro: "Desmascarando a Administração" - defende que a Ciência da Administração não é ciência e que consultores são apenas abutres quase inúteis para qualquer negócio.

Conclusão


Cuidado com firmas de consultoria administrativa.

Não vejo ninguém falando na finasfera desse seriado, mas ele sintetiza tudo que não gosto do mundo corporativo.

Recomendo.

Grande abraço!

________________________________________________________

25 maio, 2021

[Livro] 5S. Práticando Os Cinco Sensos (1997)/Antonio Mendes Barros Filho et al.

 


Introdução


Comprei pra entender mais sobre o tema e adorei a abordagem prática

Parece-me bastante útil para aplicar na minha própria casa ou para  empresas.


Conselhos Úteis


 


Conclusão 

minha aplicação dessas ideias no estoque daqui de casa


Enfim, uma ótima leitura.

Recomendo.

Grande abraço!

____________________________________________________

24 maio, 2021

[Palestra] Gênesis de Moisés (2010)/José Monir Nasser

 

 



Introdução


Mais uma grande palestra sobre um grande livro.


Trecho Destacado



Tradicionalmente atribuída a Moisés, que a teria recebido no Sinai por voltado ano 1400 a.C., a famosa “lei mosaica”, foi escrita, na verdade, por diversos narradores ao longo de muitas centenas de anos, a partir de tradições orais.

 Para os judeus, o Gênesis chama‑se “Bereshit”, que significa “No Princípio”. O nome “Gênesis” (como de resto o dos outros quatro livros) é grego, porque estabelecido na tradução “Septuaginta”, em que setenta rabinos, durante setenta dias, em 260 a.C., traduziram para o grego os originais hebraicos do Velho Testamento para atender judeus de língua grega

A obra que tem cinquenta capítulos narra a cosmologia judaica, o nascimento e a queda do homem, a destruição do mundo pelo dilúvio, seu repovoamento  pelos filhos de Noé, a história de Abraão e o início do povo judeu com as sagas de Isaque, de seu filho Jacó e, filho deste, José. A narrativa acaba com o estabelecimento dos judeus no Egito

Eva significa “desejo”. E o desejo passa a ser a mãe da humanidade. O problema da humanidade passa a ser entender o que fazer com isso. Esse desejo é fundamentalmente descrito aqui nesses três primeiros capítulos que estabelecem toda a estruturação do pensamento judaico. Nesses três capítulos, que nós lemos aqui com pormenores, está estruturada completamente a concepção existencial, a concepção
cosmológica judaica: o homem é um ser no meio, entre o céu e a terra. Quer dizer, ele está entre o espírito e a matéria. E ele tem consciência disso. 

Ele tem consciência de que representa simbolicamente Deus. Ele é uma espécie de modelo divino. Foi criado à imagem e semelhança. No entanto, ao ter comido esse fruto, ou seja, ao ter experimentado os frutos da terra e ter  percebido que há muita coisa nesse mundo que podia ser mais gostosa e mais agradável, o homem cria então uma tensão interna permanente entre o desejo de atender o céu, e subir, e o desejo de descer para a terra. Esse é o mundo em que nós vivemos. Essa é a situação existencial que nós vivemos. Adão! Simbolicamente todos os homens fizeram a escolha errada e fomos então expulsos do paraíso


Autores Mencionados



Conclusão


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/jose-monir-nasser-e-homenageado-no-teatro-sesi---campus-da-industria-1-14094-247610.shtml


21 maio, 2021

[Palestra] Apologia de Socrátes de Platão (2010)/José Monir Nasser

 



Introdução


Ler grandes obras demanda um grande esforço.

Acredito que o esforço é compensado pelo conteúdo das ideias absorvidas.

Nada como um "facilitador" para tornar essa atividade mais agradável: hoje temos desde livros introdutórios a cursos pagos disponíveis. 

Tenho ouvido as palestras do Prof. Monir Nasser, que estão disponíveis gratuitamente no youtube como uma forma de entender melhor obras que foram escritas há séculos e cujo significado pode ser de complexo entendimento.



Trecho Destacado

 


(...) Sócrates, que quando é condenado à morte, diz assim: “Bom, pessoal, então terminado o julgamento, vamos embora. Eu vou para a morte, vocês vão pra vida. Só Deus sabe quem faz o melhor negócio”. É o que Sócrates diz nas últimas linhas da Apologia. Mostrando que como para ele, Sócrates, nunca interessaram questões do mundo, ele então se encontrava num estado talvez até privilegiado, porque “no outro mundo seguramente haverá pelo menos justiça”, ele diz assim para debochar do tribunal


 Sócrates argumenta que ir para o exílio seria equivalente a desobedecer a um deus e que o “maior bem para um homem é justamente este, falar todos os dias sobre a virtude e os  outros argumentos sobre os quais me ouvistes raciocinar, examinando a mim mesmo e aos outros, e, que uma vida sem exame não é digna de ser vivida”.

 

Autores Mencionados



  • “Apologia de Sócrates”, de Platão, da edição Ediouro, Rio de Janeiro, 18 a edição, tradução de Maria Lacerda de Moura.
  • O Bode Expiatório -  René Girard (o autor é mencionado, mas não o livro)
  • Traduções de obras gregas por Mário da Gama Kuri

Conclusão


Enfim, uma ótima oportunidade de conhecer autores clássicos e de forma gratuita.

Recomendo.

Grande abraço!

_____________________________________________________________________

  • https://www.monir.com.br/index.php/11-jose-monir-nasser/32-listagem-de-arquivos-de-aulas
  • https://www.sesipr.org.br/cultura/literatura/novas-expedicoes-pelo-mundo-da-cultura-1-27853-367455.shtml


[Livro] Autobiografia (1791)/ Benjamin Franklin

 





Introdução



Normalmente não tenho muito interesse por autobiografias, pois acredito serem carregadas demais de lisonja, mas nesse caso o que lemos é o relato de um ser humano inteligente e perspicaz, que além de filósofo ajudou a redigir a constituição americana.

O livro também mostra uma realidade americana de 1700 muita parecida com o Brasil de hoje, pois o tempo passa e as pessoas não mudam.


As 13 virtudes de Benjamin Franklin


Um trechos dos mais interessantes do livro é onde ele fala de desenvolver certas qualidade pessoais para viver uma vida melhor.

Para os amantes da frugalidade é uma ótima orientação, pois em certo momento da vida, Franklin vendeu sua empresa e passou a viver de renda. 

Eis suas recomendações:


1. TEMPERANÇA – Não comer até ao embrutecimento, nem beber até a embriaguez.
2. SILÊNCIO – Não falar senão do que pode ser benéfico para os outros ou para nós mesmos; e evitar as conversações frívolas.
3. ORDEM – Um lugar para cada coisa e cada coisa no seu lugar; destinar uma hora para cada uma das nossas tarefas.
4. RESOLUÇÃO – Resolver cumprir o que é dever; e cumprir, sem falhar, o que se resolve.
5. FRUGALIDADE – Não fazer despesas senão em benefício próprio ou em benefício de outrem, isto é, não desperdiçar.
6. APLICAÇÃO – Não perder tempo; ter sempre entre mãos qualquer trabalho útil; suprimir todas as ações desnecessárias.
7. SINCERIDADE – Não recorrer a ludíbrios prejudiciais; pensar sem ideia preconcebida e com Justiça; e ao falar, fazê-lo de conformidade com este princípio.
8. JUSTIÇA – Não prejudicar ninguém fazendo o mal, ou omitindo benefícios que constituem o seu dever.
9. MODERAÇÃO – Evitar os extremos; abster-se de guardar ressentimento pelas injúrias recebidas, na medida em que as considerarmos merecidas.
10. LIMPEZA – Não tolerar a falta de limpeza no corpo, no vestuário ou na habitação. Na mente também.
11. TRANQUILIDADE – Não se perturbar com insignificâncias, nem com acidentes correntes e inevitáveis.
12. CASTIDADE – Usar raramente do prazer da carne e apenas para benefício do organismo e tendo em vista a descendência; jamais até o embrutecimento, ou ao debilitamento, ou em prejuízo da própria paz e reputação, ou da paz e da reputação de outrem.
13. HUMILDADE – Imitar Jesus. E Sócrates.

Conclusão 


Enfim, recomendo o livro, que é curto (216 páginas), fácil de ler e inspirador.

Grande abraço!


__________________________________________________________

Sites consultados:
  • http://vivendocidade.com/as-13-virtudes-de-benjamin-franklin 
  • http://www.oprumodehiram.com.br/13-virtudes-do-irmao-benjamin-franklin/ 
  • http://www.adriana.blog.br/index.php/as-13-virtudes-eleitas-por-benjamin-franklin/

    15 maio, 2021

    Encontre um Passatempo Gratuito

    Acervo Pessoal de Paraty-RJ


    1 - Introdução


    A mídia gosta de associar felicidade e propriedade, como se fôssemos felizes apenas por ter o hábito de adquirir produtos de determinada marca.

    Se isso fosse felicidade, gente rica não cometeria suicídio. Simples Assim.

    Para independência financeira ou apenas saúde, riqueza e sabedoria,  acho que é interessante buscar as seguintes diretrizes:


    • Escolha um hobby onde você possa crescer como pessoa. Isso significa que você deve ficar cada vez melhor com o tempo passando pelas fases de iniciante, Intermediário, avançado e Mestre. Se a melhoria parar, abandone o hobby.
    • Escolha um hobby que possa torná-lo mais saudável, mais rico ou mais sábio. Se o hobby não faz nenhum dos três. Largue.
    • Se envolva. Seja produtivo. Crie algo que outras pessoas gostem.

    2 - Custos de um Hobby



    Quanto seu passatempo atual custando-lhe em anos?

    Obs.: eu mesmo sou um colecionador compulsivo de quadrinhos, livros e outras bugigangas geeks. Estou tentando controlar isso, mas tenho recaídas.

    Multiplique seu gasto mental com o Hobby por 300. Em seguida, divida-a com sua taxa de poupança mensal.

    Este é o número de meses em que seu Hobby está impedindo você de se aposentar, por exemplo.


    Se sua conta é de R$ 50 e sua economia mensal é de R$ 500, então seu Hobby está atrasando sua aposentadoria em 50 × 300/500 = 30 meses ou quase três anos.
    Para os geeks, os 300 vêm da taxa de retirada anual principal de 4%, portanto 12 / 0.04 = 300.

    3 - Alguns Hobbies gratuitos


    1. Leitura - grátis na biblioteca ou pela internet ou relativamente barato da livraria/sebo (há livros que custam 1 real).


    2. Ouvir música - grátis (álbuns que eu já possuo ou youtube) ou barato (eu poderia comprar 1 álbum por mês)

    3. Assistir vídeos  - filmes e animações grátis pelo youtube

    4. Correr, caminhar ou malhar na praça

    5. Meditar: sentado, deitado ou na rede.

    Conclusão


    Encontre um Passatempo Gratuito e ocupe seu tempo sem perder dinheiro.


    Grande abraço!

    __________________________________________________

    o post é uma tradução/adaptação do link abaixo:

    [Livro] Tudo Que É Ruim É Bom Pra Você - Parte I (2012)/Steven Johnson

     

     

    A Curva do Dorminhoco - A cultura popular de hoje pode não estar nos mostrando o caminho da retidão. Mas está nos deixando mais inteligentes.

    Eis a Curva do Dorminhoco: as formas mais depreciadas de diversão em massa – videogames, programas violentos de TV e sitcoms juvenis – acabaram sendo nutritivas, afinal de contas. Durante décadas acreditamos que a cultura de massa segue uma tendência constante de declínio rumo a um mínimo denominador comum, supostamente porque as “massas” desejam prazeres simples e burros e as grandes empresas de comunicação querem dar às massas aquilo que elas desejam. Mas, na verdade, está acontecendo exatamente o contrário: intelectualmente, a cultura está ficando cada vez mais exigente, não menos.
     

    Games - Parte 1

     

    o poder cativante dos jogos está relacionado à capacidade que eles têm de estimular os circuitos naturais do cérebro ligados às recompensas.
     

    A vida real é cheia de recompensas, o que é uma das razões pelas quais existem tantas formas de vício. É possível ser recompensado com relações amorosas ou sociais, sucesso financeiro, drogas, compras, chocolate e assistindo à vitória de seu time. Mas, sem considerar supermercados e shopping centers, a maior parte da vida transcorre sem que as potenciais recompensas disponíveis estejam definidas claramente. Você sabe que gostaria de receber aquela promoção, mas ela está bem longe, e agora você precisa despachar aquele memorando. As recompensas da vida real costumam flutuar nas margens da existência cotidiana – exceção feita às recompensas primárias da alimentação e do sexo, que viciam mais do que videogames. 

    No mundo dos games, as recompensas estão por toda parte. O universo está literalmente cheio de objetos que produzem recompensas articuladas de forma muito clara: mais vidas, acesso a novas fases, novos equipamentos, novos encantamentos. As recompensas dos games são fractais; cada escala contém sua própria rede de recompensas, seja quando você está aprendendo a usar o controle, simplesmente tentando resolver um enigma para ganhar mais dinheiro, seja tentando completar o objetivo principal do jogo.
     

    “Busca” é a palavra perfeita para definir o impulso que esse modelo instila nos jogadores. É claro que você quer ganhar o game, e talvez acompanhar a narrativa completa. Nas etapas iniciais, você talvez fique fascinado pelo visual do game. Mas, na maior parte do tempo, quando já está fisgado pelo jogo, o que o atrai é uma forma elementar de desejo: de descobrir o que vem a seguir. Você quer cruzar aquela ponte para ver como é a zona leste da cidade, ou experimentar aquele módulo de teletransporte, ou construir um aquário no porto. 

    Para quem nunca sentiu essa espécie de compulsão, o motivo subjacente pode parecer um pouco estranho: aproveitando a máxima do montanhismo, você quer construir o aquário não porque ele existe, mas sim porque ele não existe, ou, pelo menos, ainda não existe. Ele não está ali, mas você sabe – porque já leu o manual ou o guia do game, ou porque a interface o está exibindo – que, caso se empenhe, caso passe um pouco mais de tempo cultivando novos habitantes e examinando o orçamento do ano, poderá desfrutar do aquário.
     

    muito mais do que os livros, o cinema e a música, os games obrigam o jogador a tomar decisões. Os romances podem ativar a imaginação, e a música pode despertar emoções poderosas, mas os games forçam a pessoa a decidir, a escolher, a priorizar. Todos os benefícios intelectuais do game derivam dessa virtude fundamental, porque aprender a pensar é, em última análise, aprender a tomar as decisões corretas: comparar indícios, analisar situações, consultar objetivos de longo prazo e então decidir. Nenhuma outra forma cultural pop exige o mesmo tipo de atividade do aparato decisório do cérebro. 

    Vista de fora, a atividade primária de um jogador parece um furioso clicar e atirar, e é por isso que uma parte tão grande do pensamento convencional a respeito de videogames se concentra na coordenação visual-motora. Mas, quando se espia dentro da mente de um jogador, a atividade primária acaba sendo uma coisa completamente distinta: tomar decisões, algumas vezes imediatas, outras levando em consideração estratégias de longo prazo.
     

    Essas decisões baseiam-se em dois modos de trabalho intelectual que são a chave para o aprendizado colateral nos videogames. Chamo-os de sondagem e telescopia.
     

    James Paul Gee, pesquisador especializado em videogames, divide a sondagem em um processo de quatro partes, que ele chama de ciclo de “sondar, criar hipóteses, sondar de novo, repensar”: 

    1.   O jogador deve sondar o mundo virtual (o que significa explorar o ambiente atual, clicar em alguma coisa ou realizar determinada ação). 
    2.   A partir da reflexão feita durante a sondagem e depois dela, o jogador deve formular uma hipótese sobre que significado útil pode haver em algo (um texto, um objeto, um artefato, um evento ou uma ação). 
    3.   O jogador sonda de novo o mundo considerando aquela hipótese, vendo o efeito resultante. 
    4.   O jogador trata esse efeito como informação dada pelo mundo e aceita ou repensa a hipótese original. Em outras palavras: quando os jogadores interagem com esses ambientes, estão aprendendo o procedimento básico do método científico.
     

    Determinar os objetivos parece algo bem simples. Se você parou de jogar no começo da década de 1990, ou se conhece os games apenas através de relatos de terceiros, provavelmente vai supor que os objetivos secundários devem ser alguma coisa como “atire naquele cara ali!”, “fuja dos monstros azuis!” ou “ache a chave mágica!”.
     

    Um mapa dos objetivos de The Wind Waker, um dos jogos da série Zelda, é bem diferente: 

    1. O objetivo final é resgatar sua irmã.     
    2. Para isso, é preciso derrotar o vilão Ganon.         
    3. Para isso, é preciso obter armas lendárias. 
    4. Para localizar as armas, precisa-se da pérola de Din. 
    5. Para conseguir a pérola de Din, é preciso atravessar o oceano. 
    6. Para atravessar o oceano, precisa-se de um barco. 
    7. Para fazer tudo isso acima, é preciso permanecer vivo e saudável. 8. Para fazer tudo isso acima, é preciso mover o controle.
     

    Ao trabalho mental de administrar todos esses objetivos simultâneos dou o nome de “telescopia”, pela maneira como os objetivos se encaixam uns nos outros tal qual um telescópio recolhido. Gosto do termo também porque parte dessa habilidade consiste em dar atenção a problemas imediatos, mantendo, ao mesmo tempo, uma visão de longa distância. 

    Não é possível progredir muito em um game se os quebra-cabeças encontrados pelo caminho forem sendo simplesmente resolvidos; é preciso coordená-los com os objetivos finais que estão no horizonte. Jogadores de talento conseguem manter em mente todos esses diversos objetivos ao mesmo tempo.
     

    Em certo sentido, a analogia mais próxima da maneira como os jogadores pensam é o modo como os programadores pensam quando escrevem códigos: uma série interdependente de instruções com diversas camadas, algumas voltadas para as tarefas básicas de obtenção e armazenamento de informações na memória, outras para funções de nível mais alto, como a representação da atividade do programa para o usuário. 
    Um programa é uma sequência, mas não uma narrativa; jogar videogame gera uma série de eventos que desenham uma narrativa em retrospecto, mas os prazeres e os desafios do jogo não equivalem aos prazeres de acompanhar uma história. A arte de sondagem e telescopia tem algo de profundamente parecido com a vida.
     

    Mas nossas vidas não são histórias, pelo menos não no tempo presente – não somos consumidores passivos de uma trama narrativa. (Transformamos nossas vidas em histórias após o fato, depois que as decisões foram tomadas e os eventos se desdobraram.)
     

    Para não jogadores, os games têm uma ligeira semelhança com clipes musicais: um visual ostensivo; a combinação de camadas de imagem, música e texto; alguns surtos de velocidade, em especial nas sequências pré-renderizadas de abertura. 

    Mas o que de fato se faz quando se joga videogame – a maneira como a mente tem de funcionar – é radicalmente distinto. A questão não é tolerar ou estetizar o caos; é encontrar ordem e significado no mundo e tomar decisões que ajudem a criar essa ordem.
     
    __________________continua...

    [Livro] Aprendendo a Viver (65 d.C.)/Sêneca - Parte 3

     





    · Tudo isso faz parte do percurso de uma longa vida, como a poeira, a lama e a chuva durante uma viagem.





    · Tudo o que vem da riqueza não gera frutos, não proporciona satisfação, se o possuidor não possuí a si próprio e não toma posse do que lhe pertence. É uma tolice, Lucílio, pensar que a riqueza pode nos fazer algum bem ou mal; ela apenas fornece material para os nossos bens e nossos males; os elementos daquilo que juntos a nós poderá se desenvolver em bem ou em mal. Bem mais poderosa que a fortuna é nossa alma. Para o melhor ou o pior, é ela quem conduz os nossos destinos, é ela a responsável pela nossa felicidade ou miséria.





    · Desprezível é a alma obcecada pelo futuro, é infeliz antes da infelicidade, deseja ter para sempre as coisas que lhe causam prazer. Não terá descanso, e a necessidade de querer conhecer o futuro lhe fará deixar de lado o presente que poderia ser melhor desfrutado. Temer a perda de algo é o mesmo que já não tê-lo mais consigo.

    Não pensa que eu sou a favor da indiferença. Foge dos perigos. Fica atento a tudo que pode ser previsto. o que for que ameaça, não espera que te atinja, passa longe. Nessa situação, a confiança em ti e o firme propósito de tudo suportar serão muito importantes.







    · Para minimizar os efeitos dessa perda, de que dispomos? De guardar a lembrança do perdido e, assim, não deixar desvanecer o que de proveito se tenha tido com o que se foi. Se a posse vai embora, fica para sempre o privilégio de ter possuído. Muito ingrato é aquele que, quando não tem mais nada, imagina nada dever por aquilo que tenha recebido. A sorte tira o objeto, mas deixa o fruto que nossas queixas nos fazem perder.



    · Enfim, é estúpido lamentar-se da saudade, já que o espaço que separa aquele que se perdeu daquele que o deseja é mínimo. Precisamos ter a certeza na alma de que seguiremos aqueles que perdemos.





    · Ninguém deveria fazer promessas para o futuro. Mesmo que já possuímos pode nos escapar e, nessa hora, que pensamos estar bem, um mal pode nos arrasar. O tempo transcorre segundo leis imutáveis, é certo, mas obscuras. E que me importam as certezas da natureza se eu permaneço na incerteza?



    · Em verdade, só se concentram no futuro aqueles que estão insatisfeitos com o presente. Ao contrário, se eu estiver satisfeito com o que tenho, quando a mente souber que não existe diferença entre um dia , a alma visualizará, do alto, o conjunto dos dias e dos acontecimentos que estão por vire apenas sorrirá. De que maneira a inconstância e a mudança do acaso podem perturbar aquele que permanece estável na instabilidade?





    · Quem vive na esperança do amanhã deixa escapar o presente. Assim, se aproxima de um desejo insaciável acompanhado de um sentimento miserável que torna as coisas mais miseráveis, ou seja, o pavor da morte.



    · A natureza despoja tanto quem entra quanto quem sai.



    Não te é permitido levar mais do que tens, e até o que trouxeste para a vida ao nascer aqui deverá ser deixado. Perderás a pele, o mais superficial de teus envoltórios; perderás a carne e o sangue que corre pelo teu corpo; perderás ossos e os nervos, aquilo que sustenta as partes informes e flácidas de teu corpo.

    Esse dia que temes como ultimo será o de teu nascimento para a eternidade. Deposita o teu fardo.





    · Mesmo a paz te causará temor. Uma mente perturbada não confiará nem mesmo nos fatos mais óbvios, pois o sentimento incontrolável do medo, que ela sempre sofre, acaba por torna-la totalmente insegura.



    · O campo de toda a atividade deve ser o estudo, e no meio dos sábios, para relembrar a verdades adquiridas e para descobrir novas. Assim, é dever retirar a alma de sua terrível escuridão, libertá-la. Enquanto ignorares o que deve ser evitado e deve ser procurado, o que é imprescindível e o que é supérfluo, o que é justo e o que é injusto, o que é honesto e o que não é honesto, jamais viajarás , será apenas um errante.





    · Não há, com certeza, nenhuma diferença, Lucílio, entre não desejar e possuir. Nos dois casos, o resultado é idêntico, isto é, não há sofrimento. Também não te recomendo que negues algo à natureza – ela é contumaz, não pode ser vencida e reclama o que lhe pertence - , mas que saibas que o excedente na natureza, longe de ser indispensável, apenas está a nosso dispor como algo a mais, não imprescindível.



    · O que preferes: ter muito ou ter apenas o suficiente? Aquele que tem muito deseja ter mais, o que prova não ser suficiente o que já possui. Aquele que possui o suficiente obteve o que o rico jamais poderá atingir, ou seja, o fim de seus desejos.



    · Jamais é pouco o suficiente, jamais é muito o que não satisfaz.





    · O dinheiro nunca tornou alguém rico; ao contrário, sempre causou mais cobiça. Queres saber por quê? É porque quem mais tem mais quer ter.



    · Avalia todas as coisas pelos desejos naturais, aqueles que podem ser satisfeitos de graça ou por pouco preço; jamais confunde os vícios com desejos.



    ________________________________________________

    [Livro] O lado difícil das situações difíceis (2014)/ Ben Horowitz - parte 3

     




    Na vida, vez ou outra, todos são obrigados a escolher entre fazer aquilo que é consenso, fácil e errado e aquilo que não é consenso, difícil e correto.
     

    Toda vez que você toma a decisão difícil e correta, torna-se um pouco mais corajoso; toda vez que toma a decisão fácil e errada, torna-se um pouco mais covarde.
     

    Esteja ciente de que os livros de administração costumam ser escritos por consultores que estudam empresas de sucesso durante seus períodos de paz. Por isso, os livros que escrevem abordam os métodos de diretores de paz. Na verdade, afora os livros escritos por Andy Grove, não conheço nenhuma outra obra de administração que ensine a administrar em tempo de guerra, como faziam Grove e Steve Jobs.
     

    no boxe, para recuar, é essencial movimentar primeiro o pé que está atrás, pois se o lutador leva um soco quando está recuando de maneira natural – levantando primeiro o pé da frente – é bastante provável que ele seja nocauteado. É preciso muita prática para que esse movimento antinatural seja feito com naturalidade. Assim acontece com o diretor executivo: se ele faz aquilo que lhe parece mais natural, pode acabar no chão. Para ser diretor executivo, é preciso fazer muitos movimentos antinaturais.
     

    Encoraje as pessoas a contestar suas conclusões e a apresentar argumentos sólidos. Em termos de cultura, o que você quer são padrões elevados e cabalmente discutidos. Deve exercer pressão para obter as melhores ideias, mas ser aberto o suficiente para reconhecer quando está errado.
     

    Um grande exemplo de história empresarial é a carta de três páginas que Jeff Bezos escreveu para os acionistas em 1997.
     

    Um grande exemplo de história empresarial é a carta de três páginas que Jeff Bezos escreveu para os acionistas em 1997. Contando a história da Amazon por extenso – não na forma de uma declaração de missão nem de um lema –, Jeff fez que todas as pessoas interessadas no assunto passassem a ter o mesmo pensamento acerca da Amazon.
     

    A fim de se preparar, você deve adquirir sistematicamente o conhecimento sobre todas as coisas que possam impactar qualquer decisão que venha a tomar. Refiro-me a questões como: O que a concorrência provavelmente fará? O que é possível do ponto de vista técnico? Em qual período? Quais são as verdadeiras capacidades da organização? Como pode maximizá-las? Que risco financeiro isso implica? Dada a atual arquitetura do produto, quais problemas ele enfrentará? Essa promoção vai entusiasmar os funcionários ou não?
     

    Nas organizações bem administradas, as pessoas podem se concentrar em seu trabalho (e não na política e em procedimentos burocráticos) com a certeza de que, se cumprirem bem a sua função, tanto a empresa quanto elas próprias colherão bons frutos. Por outro lado, numa organização mal administrada, elas passam boa parte do tempo enfrentando os limites internos da organização e processos inoperantes.
     

    Riscos temerários. Você não deve punir as pessoas por correrem riscos produtivos, mas nem todos os riscos são desse tipo. Embora não haja recompensa sem risco, alguns podem não produzir recompensas. Beber uma garrafa de Jack Daniel’s e sair dirigindo é arriscadíssimo, e a recompensa do sucesso é nula.

    10 maio, 2021

    [Livro] 5 Fatores Da Boa Forma (2006)/Harley Pasternak

     

    Introdução


    Harley Pasternak é um quase desconhecido aqui, mas bem famoso nos EUA.

    Ele é o criador da dieta dos 5 fatores que, basicamente traduz num sistema coerente e para leigos, décadas de conhecimento consagrado pelo fisiculturismo.


    Primeiro Livro 


    • 5 refeições ao dia com intervalos de 2-3 horas entre elas.
    • A refeição  devem cumprir as 5 seguintes regras: conter fibras, gorduras saudáveis, carboidratos complexos (baixo IG), proteínas e líquidos sem açúcar (água, chá, café ou bebida energética sem adoçantes). A proporção de proteínas, gorduras e carboidratos deve ser de 50, 30 e 20%, respectivamente.
    • Exercícios físicos, 5 vezes por semana, durante 30 minutos.
    • Esses exercícios são basicamente uma mistura de 3 tipos diferentes: cardio, exercícios de musculação e abdominais.
    • Os únicos aparelhos que ele usa no livro são um banco reto/inclinável e um par de halteres (ele não recomendo o uso de máquinas, salvo o de ergométrica e esteira).
    • 2 dias de descanso obrigatório por semana, mas pode ter cardio nesse dia.
    • 1 vez por semana você pode comer qualquer coisa, mas nada em excesso.
    • não há nenhuma indicação de suplementos no livro.
    O livro ainda traz receitas simples e algumas de intermediários nível de dificuldade; uma lista de alimentos recomendados 


    Segundo Livro 


    O autor análise hábitos de alimentação, exercícios e preparo de alimentos de pessoas em diferentes países que se apresentam como os de população mais saudável no mundo.

    Esse livro é interesse porque autor mostra a relação da dieta dos 5 fatores com os hábitos das pessoas.

    Uma coisa que achei bem legal foi a indicação de utensílios de cozinha e pratos típicos (adaptados) para quem quiser variedade na dieta.

     

    Conclusão 


    Recomendo os livros para leigos, mas há vários trechos que parecem superados (uma minoria diante do todo)

    Para conferir o Instagram do autor, clique aqui.


    Grande abraço!


    ___________________________________________________________



    • https://incrivel.club/criatividade-receitas/o-que-e-a-dieta-dos-5-fatores-e-por-que-as-celebridades-a-seguem-666710/

    09 maio, 2021

    [Corpo] Banquinho de Cócoras


    Foto de KoolShooters no Pexels


    Introdução


    Defecar é uma função biológica essencial e nunca tive problema com isso.

    Por outro lado, gosto de testar qualquer mecanismo que prometa algum tipo de melhora e ver se tal tecnologia se harmoniza com meu estilo de vida.

    Depois de assistir um vídeo no youtube do Nutricionista Rodolfo Peres, resolvi testar um banquinho de cócoras.


    Minha Experiência


    Fonte: https://www.lojaaloemed.com.br/


    Dá uma sensação incômoda no começo, mas com o tempo (algumas semanas) esse novo hábito, o de usar um banquinho de cócoras, se torna trivial.

    Creio que ajuda significativamente durante o esforço abdominal de expelir fezes. 

    Custou-me 60 bolsons pelo ML, mas dá até pra fazer ou improvisar em casa. Comprei um modelo desmontável, de plástico (facilita a higienização) e bem leve, pois tenho a intenção de carregá-lo na mala durante as férias.


    Conclusão 


    fonte: decorassentos.com.br


    Recomendo o banquinho.

    Boa cagada.

    Grande abraço!

    _______________________________________________________

    Fonte: leroymerlin.com.br


    05 maio, 2021

    [Livro] A Bússola Do Zen (2002)/Mestre Zen Seung Sahn - Parte 1


    · Se quisermos entender a nós mesmos e ajudar a todos os outros seres a livrarem-se do sofrimento, devemos primeiro entender de onde vem todo esse sofrimento do mundo.

    · A fruta apodrece apenas alguns dias após ter amadurecido. Quando apodrece, não pode ser comida. Mas, no seu interior, a fruta possui sementes. Quando a fruta apodrece totalmente, as sementes atingem a maturidade.

    · Antes de morrer você deve definir a sua direção. Você deve alcançar o que você é.

    · Buda alcançou a verdadeira natureza de um ser humano independentemente de qualquer força exterior, religião ou deus. Esse é o ensinamento do Buda.

    · Meditação correta significa o meu verdadeiro eu. E esse caminho começa e acaba com a pergunta: “o que sou eu?” É um ensinamento muito simples, nada de especial. Quando você faz essa pergunta muito profundamente, tudo o que aparece é “não sei”. Todo pensamento para por completo, e você retorna à sua mente antes-dos- pensamentos. Se você alcançar este “ não saber”, já terá alcançado o seu verdadeiro eu.


    · Assim, se quer entender seu verdadeiro eu, você deve praticar meditação. Mantenha apenas essa pergunta, profundamente: “o que eu sou? Não sei...”

    · Se você não se apegar ao discurso e às palavras desta bússola, e somente mantir uma mente que não-sabe, cortando completamente todo o pensamento, então o remédio falar-e-pensar contidos nestas páginas poderá ajudá-lo a encontrar o caminho correto. Você poderá encontrar sozinho a espinha dorsal do ensinamento do Buda. Mas, se você se apegar à retórica e às palavras, até mesmo o discurso do Buda o levará direto para o inferno.

    · A palavra buddba vem de um verbo sânscrito, que significa “despertar”. Se você alcança a sua mente, você alcança o seu verdadeiro eu, você acorda do seu senho de sofrimento. Um eminente professor uma vez disse: “Mente é Buda; Buda é mente.” Se alcança a sua mente – o que quer dizer, se você alcança o seu verdadeiro eu – você se torna Buda. Então, o ensinamento do budismo significa simplesmente que o Buda Sakiamuni alcançou a si mesmo. Ele alcançou integralmente a sua própria mente, o que significa que alcançou a mente de todos os seres. E alcançou a correta função da mente, que é ajudar a todos os seres


    · O propósito do budismo é: “Primeiro alcance a iluminação, depois instrua a todos os seres

    · (...) iluminar-se e ensinar a outros seres não são duas coisas, pois quando você retorna para sua mente antes que o pensamento surja, naquele ponto, todas as coisas se tornam inteiramente uma só. Naquele ponto, como você poderia não ajudar a todos os seres? A sua situação correta, o seu relacionamento correto e a sua função correta aparecem claramente na sua frente. Ajudar outros seres é trabalho correto da iluminação – não é nada assim tão especial. Este é o verdadeiro propósito do budismo.


    · Budismo é apenas um nome para o caminho que nos leva ao nosso verdadeiro eu e ao auxílio para todos os seres.

    · Toda vida é sofrimento e sofrimento é vida: samsara.

    · O mais importante é manter uma mente serena a cada momento. Na verdade, esse é o real significado de samandhi. Significa ter uma mente que não se move, esteja você sentado, de pé, deitado, dirigindo um carro, conversando, seja lá o que for. Quando mantém, com determinação, uma mente que não se move em qualquer atividade, você pode percebe a beleza desse mundo singelo, pois consegue ver as coisas exatamente como elas são. Você é capaz de assimilar e aprofundar o seu entendimento de maneira que se torne sabedoria.

    · Simplificadamente, termos tais como: “vacuosa (o)(s), “vazia(o)(s)”, apontam para o fato de que todos as características de qualquer objeto observado não são inerentes a ele mesmo, mas dependem do “olho do observador” – que vê e interpreta a sua visão de acordo com os seus próprios referenciais, pensamentos, energias de hábitos, pressupostos, teorias, conceitos, preocupações, etc. Por exemplo, a beleza de uma pintura não está meramente nas cores das tintas, ou apenas no traço do artista, etc., mas sim na mente daqueles que a observam, apreciam e julgam.

    __________________________________ continua...